CORONAVÍRUS E O EFEITO NO VAREJO

Dicas para sobrevivência do negócio em tempos de crise

Atenta à situação mundial frente ao Coronavírus (COVID-19) e seus impactos na população, a Câmara de Comércio, Indústria e Serviço de Estrela (Cacis) está concentrando esforços para auxiliar os lojistas a manter o varejo forte durante este período.

Por isso, preparamos alguns conteúdos sobre o tema. O primeiro conteúdo é um guia de dicas para que seu negócio sobreviva em tempos de crise, incluindo comentários do economista-chefe da CDL Porto Alegre, Oscar Frank.

Dica #1

Negociar, negociar, negociar: preservar o caixa é o mais importante nesse momento.

Sem caixa, a empresa não sobrevive. O lucro deve ficar em segundo plano agora. Como não sabemos a extensão do surto de coronavírus, é necessário ser radical na administração de caixa. A situação é emergencial. Se você precisa de crédito, aja agora! Não deixe pra depois.

• Bancos: renegociação é válida não só para aqueles que se encontram inadimplentes, como também para os que estão com os pagamentos em dia. No tocante ao primeiro grupo, é premente lembrar que os cinco maiores bancos associados à FEBRABAN (Banco do Brasil, Bradesco, Caixa, Itaú Unibanco e Santander) vão prorrogar, pelo prazo de 60 dias, os vencimentos de dívidas de micro e pequenas empresas, além dos consumidores. Da mesma forma, os adimplentes podem se beneficiar da deliberação do Conselho Monetário Nacional.

• Fornecedores e prestadores de serviço: selecionar apenas aqueles fundamentais para a continuidade do negócio, priorizando pagamentos em caso de aperto no caixa.

• Renegociar pagamentos, preços e prazos com todos.

• Revisitar o planejamento de compras, de forma a adequá-lo à nova realidade da demanda.

• Seu fornecedor também está passando dificuldades, e a hora é de firmar parcerias para minimizar perdas. Evitar atritos entre ambas as partes.

Dica #2

Avaliar a possibilidade de concessão de home office para os colaboradores

• Diversos serviços administrativos podem ser realizados à distância. Vale ressaltar aos funcionários de que esse não é um período de férias, de forma que todas as suas responsabilidades no contrato de trabalho são mantidas, incluindo sua constante avaliação pelas entregas por parte dos empregadores.

Dica #3

Caso o home office não seja possível, prezar pelo arejamento dos ambientes

• A manutenção de janelas abertas, o uso de sistema de ventilação e a conscientização dos sobre as formas de contaminação e a necessidade de higiene são vitais.

Dica #4

Concessão de férias coletivas

• O lojista pode avaliar a concessão de férias coletivas para minimizar os danos do enfraquecimento de demanda. A razão por trás dessa decisão é conter parte das despesas fixas e variáveis relacionadas à operação.

Dica #5: Reduzir custos

• Avaliar todas as despesas por ordem de relevância. A pergunta básica é: é possível sobreviver sem esse custo? Se der, corte.

• Crises sempre representam uma oportunidade de eliminar toda a sorte de desperdícios.

Dica #6: Se possível, potencializar o e-commerce e o delivery como estratégias de venda

• Aprimorar soluções de vendas através de canais eletrônicos e da entrega em domicílio são essenciais para ajudar na composição das receitas. Diante das crescentes restrições ao livre trânsito de mão de obra e do receio de contaminação, cada vez mais as pessoas permanecerão em casa.

 

Fonte Dobro

você pode gostar também Mais do autor

Comentários

Carregando...