ACI-E apoia novas mudanças no modelo de Distanciamento Controlado

Entidade é a favor que prefeitos tenham mais autonomia para restringir ou flexibilizar atividades econômicas nos municípios

Desde a implantação do modelo de Distanciamento Controlado no Rio Grande do Sul, a Associação Comercial e Industrial de Encantado (ACI-E) se mantém atenta à classificação das bandeiras, que determina o risco epidemiológico do coronavírus na região do Vale do Taquari e, por consequência, a flexibilização ou o aumento das restrições às atividades econômicas.

Foi assim logo na primeira rodada, quando ao Vale foi atribuída a bandeira vermelha, que significa alto risco de contaminação e maiores restrições. Na oportunidade, a ACI-E integrou um comitê de crise regional, que agiu rápido e conseguiu convencer o governo a rever os critérios. O resultado foi a mudança para a bandeira laranja, que representa risco médio de contágio e garante o funcionamento do comércio, por exemplo. Situação semelhante ocorreu nesta semana, quando a região conseguiu reverter a classificação de vermelha para laranja após o encaminhamento do recurso ao governo.

Agora, a ACI-E trabalha, ao lado de outras entidades representativas gaúchas, na construção de uma nova proposta de mudança nos critérios do Distanciamento Controlado. Na segunda-feira, dia 20, o presidente Rafael Fontana participou de uma reunião on-line, coordenada pela Federação das Entidades Empresariais do RS (Federasul), para apresentar as sugestões a deputados e senadores.

Entre as alterações propostas estão a participação das entidades na definição das bandeiras, o aumento da autonomia dos prefeitos e o uso das bandeiras como gatilho de ação do governo, não indicando o fechamento em nenhum dos casos.

 

Segundo Fontana, é fundamental a mobilização das entidades empresariais, representativas e associativas junto aos parlamentares estaduais e federais para que se confirmem as reformulações no Distanciamento Controlado. “Entendemos que deva haver mais flexibilidade para que os municípios, conforme as suas realidades do momento, tomem as decisões também. E que haja menos transtornos com essa questão das bandeiras. Há municípios em que a situação está controlada. Mais do que nunca, as instituições locais sabem dessa realidade e podem tomar as decisões. O governo do Estado tem que ser o orientador das politicas de saúde. E nós podermos tomar as decisões”, avaliou.

 

Também acompanharam a reunião a presidente da Federasul, Simone Leite, o deputado estadual Edson Brum, o senador Luis Carlos Heinze, o presidente da CIC Vale do Taquari, Ivandro Rosa, o vice-presidente regional da Federasul, Renato Scheffler, e o presidente da regional Vale do Rio Pardo, Ario Sabbi.

 

No dia 17, o encontro foi realizado com deputados federais. A bancada gaúcha no Congresso Nacional, tanto na Câmara quanto no Senado, já está comprometida em apoiar e propor as mudanças.

você pode gostar também Mais do autor

Comentários

Carregando...