Três agroindústrias são inauguradas durante a 3ª SantaFlor

Como parte da programação da 3ª SantaFlor de Santa Clara do Sul foi realizada na sexta-feira, dia 18, junto ao estande da Emater/RS-Ascar, a inauguração de três agroindústrias locais. A cerimônia de entrega dos certificados, que declararam os empreendimentos legalizados oficialmente nas áreas sanitária, tributária e ambiental, contou com a presença do diretor do Departamento de Agricultura Familiar e Agroindústrias da Secretaria de Desenvolvimento Rural, Pesca e Cooperativismo (SDR), Dionatan Tavares.

Na ocasião, Tavares – ao lado do gerente regional da Emater/RS-Ascar, Marcelo Brandoli e do prefeito de Santa Clara do Sul, Fabiano Immich – repassou o documento às agroindústrias Kollet e Acedi Alimentos, ambas da localidade de Picada Santa Clara e para a Conservas Thomas, da Sede. “Para nós é um orgulho entregar estes certificados, possibilitando a cada um destes empreendimentos a ampliação dos espaços para comercialização”, observou Tavares. “Vale também ressaltar o fato de Santa Clara do Sul ser um verdadeiro exemplo, com cinco agroindústrias legalizadas, para o restante do Estado”, completou.

Para os agricultores o momento foi de grande alegria. O produtor Nélio Gilmar Kollet, da agroindústria que leva o sobrenome da família, celebrava o que considera uma real possibilidade de ampliação de mercado para os panificados – pães, cucas, biscoitos e massas – que comercializa. “Com as feiras locais e as entregas de casa em casa já conseguimos formar uma boa clientela, ficando a perspectiva de melhorar ainda mais a partir de agora”, observou Kollet, que teve a ideia de iniciar o empreendimento há cerca de três anos, após conversa com a esposa Fabiane.

A família também é parte importante das decisões para os jovens Angélica e Luis Gustavo Mallmann, da Acedi Alimentos. “No nosso caso, a produção de derivados de cana de açúcar já está na terceira geração”, sorri Angélica. O que significa que são mais de 40 anos produzindo schmier, melado, açúcar mascavo e rapaduras, que, antes, eram consumidas pela família, amigos e vizinhos, de maneira informal. “Foi dessa forma que fomos criando o nosso nome, por meio da propaganda boca a boca”, explica Luis Gustavo. “O nosso desafio agora é ampliar a produção e manter a qualidade do produto”, completa.

A situação da Conservas Thomas é um tanto diferente: com apenas seis meses de existência, o jovem Arcelo Machado já começa a colher os frutos da boa receptividade do público para com os produtos coloniais. “Produzimos cerca de mil vidros de compotas e conservas por mês e, mesmo com o empreendimento no início, não conseguimos dar conta da grande demanda”, enfatiza Machado – que trabalha em parceria com a sogra Leane Thomas. O mix variado de conservas de pepinos, rabanetes, cenouras e brócolis e compotas de pêssego, figo e abacaxi são um atrativo para quem passa pelo estande. “Minha ideia para o futuro é também comercializar ovos de codorna” explica o jovem, que já foi garçom, atento ao que “diz” o mercado.

Para o gerente regional da Emater/RS-Ascar, Marcelo Brandoli, o apoio às agroindústrias produz resultados representativos nas mais variadas frentes. “Não estamos falando apenas de famílias preocupadas em agregar valor aos seus produtos, aumentando assim a sua renda, mas também observando um grande impacto no que diz respeito à sucessão familiar e a qualidade de vida de cada um dos produtores”, enfatizou. “Nesse sentido é importante salientar o esforço do Governo do Estado na manutenção do Programa de Agroindústria Familiar e to trabalho em parceria, que possibilita que estejamos aqui hoje”, pontuou.

Para o prefeito Fabiano Immich, o momento é de celebração. “A gente agradece os esforços conjuntos, especialmente dos extensionistas da Emater para que obtivéssemos estes resultados”, salientou. Ao elogiar a postura e o trabalho do técnico local Luiz Bernardi, Immich estendeu o agradecimento também aos empregados Sandra Gerhardt e Maciel Budde – além de outros, como o caso do hoje assistente técnico regional na área de Organização Econômica da Emater/RS-Ascar, Alano Tonin, presente no ato, que já atuou em Santa Clara do Sul. “É por esse tipo de esforço, representado pelo trabalho a muitas mãos, que Santa Clara do Sul hoje é exemplo para todos”, finalizou, lembrando também o fato de o município ter apenas 15 famílias dependentes do Bolsa Família atualmente – há 10 anos eram 154.

Atualmente, nos 55 municípios dos vales do Caí e do Taquari – que compõem o escritório regional da Emater/RS-Ascar de Lajeado – são 117 agroindústrias legalizadas. Muitas delas receberam recursos via Fundo Estadual de Apoio ao Desenvolvimento dos Pequenos Estabelecimentos Rurais (Feaper), a partir de processos de Participação Popular e Cidadã (PPC), que garantem um aporte de recursos variável para cada empreendimento, com possibilidade de bônus adimplência de 80% para pagamentos em dia. Linhas de crédito específicas do Pronaf também foram utilizadas pelos produtores para a constituição de seus empreendimentos.

você pode gostar também Mais do autor

Comentários

Carregando...