Taquari investe em agricultura familiar

Não é de hoje que o panorama econômico de uma cidade passou a se basear também na importância dada às culturas familiares. E foi com o propósito de fomentar e estruturar a produção agrícola de Taquari que a Administração Municipal, por meio da Secretaria da Agricultura, buscou intermediações e oportunidades para os pequenos produtores e agricultores do interior do município expandirem suas produções. Hoje, diversas famílias espalhadas pelas localidades afastadas do grande centro comercial colhem os frutos dos investimentos que fizeram em suas propriedades.

A partir do interesse dos profissionais do campo em aumentar sua demanda e fonte de renda, a Prefeitura buscou diálogo com empresas locais e da região no intuito de comercializar o que é cultivado em Taquari. Para alcançar novos mercados, oferecer alimentos de melhor qualidade passou a ser a principal preocupação nas propriedades de vários agricultores e produtores de Taquari. Entre as culturas que vem se destacando no município, estão a produção de leite e verduras.

Um exemplo do crescimento na área é percebido na propriedade de Paulo César Machado, que aos 38 anos investiu em vacas de leite na localidade do Campo do Estado, onde mora há 12 anos. Para ele, trabalhar com gado de corte e vacas de campo não gera uma grande produção porque a extensão de terra que dispõe é pequena.

Sem condições de sobreviver com a renda vinda da recria das vacas, Machado apostou em um investimento que fez aumentar a quantidade de leite produzido. O pecuarista adquiriu dez novas vacas leiteiras para seu rebanho e buscou auxílio da Prefeitura para firmar parceria com a empresa captadora de leite Promilk e realizar melhorias no acesso à sua propriedade.

“Sempre tentamos lidar com vacas de leite, porém, nunca tivemos nenhum tipo de incentivo para iniciar o trabalho. Era complicado em outros tempos, pois os governos anteriores nunca correram atrás de uma linha de leite ou uma empresa que visasse ajudar o pequeno produtor. O mato quase sempre era incentivado, menos a agricultura. Com o auxílio da Prefeitura, consegui arrumar a entrada da minha propriedade, pois um caminhão de leite não passava por aqui no inverno. Agora trafega perfeitamente”, conta Machado.

Durante a manhã da última quarta-feira, dia 28, o secretário da Agricultura, Romacir Martins, e o presidente do Conselho Municipal de Desenvolvimento Agropecuário (Comdagro), Laudelino Piovesan, estiveram visitando a propriedade de Machado para verificar o atual estágio de sua produção. Segundo Martins, é importante que tanto o produtor quanto o agricultor invista na estruturação e adequação de seu trabalho. “A aposta nesses serviços faz com que as empresas se interessem em adquirir aquilo que é produzido, e parte desse processo se dá pelo investimento na produção. A Administração e a Secretaria estão sempre de portas abertas na intenção de apoiar e prestar incentivos que contribuam para o sucesso e satisfação do agricultor”, disse.

Investimento em qualidade

Com o propósito de constante expansão, Machado buscou melhorar seu trabalho aos poucos. “Vejo muitas chances de dar certo. Antes, pelo fato de as vacas serem diferentes, a média de produção era muito baixa, porém, com o investimento que fiz, uma vaca chega a produzir, no mínimo, 25 litros por dia”, contabiliza.

Vindas da região fronteiriça de Aceguá, as dez vacas adquiridas por Machado consumiam um pasto nativo, e por essa razão não chegavam ao contingente atual de produção. “Agora, com os suplementos que coloquei na alimentação, consegui aumentar esse número. Um ponto positivo é que elas possuem uma raça melhor comparada às demais”, explica.

Parceira com a Promilk

Foi alertado pela Secretaria da Agricultura, que Machado tomou conhecimento do interesse da empresa Promilk, sediada na cidade vizinha de Estrela, em encontrar produtores que se dispusessem a vender o leite produzido nas propriedades do município. “A partir disso, resolvi investir na área”, afirma.

Segundo o produtor, a Promilk o visitava de quatro em quatro dias. Porém, com o aumento do leite, que agora chega a 300 litros em dois dias, o caminhão passa duas vezes por semana. “Se a Prefeitura continuar do jeito que está, dando esse apoio para os agricultores e produtores na infraestrutura, estará muito bom. Aconselho que todos invistam no leite, mas não se precipitem no início. Sempre haverá pessoas dizendo para não fazer, argumentando que será perda de dinheiro, mas temos de insistir. Venho fazendo isso há anos e estou satisfeito”, declara.

Verduras que se transformaram em oportunidade

A agricultora Luciana Prass Dias, de 35 anos, cuida de uma horta na região do Passo do Santa Cruz. Juntamente com seu companheiro e filhos, é responsável pelo cultivo de alfaces, cebolinhas, beterrabas, entre outros legumes. “Sempre tive vontade de produzir produtos saudáveis, é o que gosto de fazer. Futuramente também pretendemos entrar na cultura do leite” afirma.

Morando há três anos no local, Luciana relata que a venda do que é produzido é feita para a Cooperativa Certaja e restaurantes. “Entrego à Certaja duas vezes por semana, nas segundas e quintas-feiras, e nesse meio tempo também forneço para os restaurantes. Pretendo chegar a um hectare de horta. Além disso, conto com um sistema de irrigação por gotejamento e adubos”, detalha a agricultora.

O crescimento da propriedade e a parceria com empresas compradoras foram realizados com auxílio da Secretaria da Agricultura. “Achei muito bom esse incentivo por parte da administração, porque podemos produzir com a certeza de que vamos ter a venda garantida”, sublinha Luciana.

Alguns metros adiante é possível avistar a horta de Dulcimar Antonio dos Santos. Aos 30 anos, o pequeno agricultor tem a responsabilidade de produzir alimentos que são destinados para a merenda escolar de dois educandários do município de Nova Santa Rita, além de fruteiras e restaurantes. “Estou aumentando minha produção com a expectativa de que ela seja maior daqui para frente, pretendo chegar a um hectare de horta. Acredito que estava em falta esse tipo de atenção da administração, e desde que chegamos aqui estamos sendo bem amparados”, pontua.

Produção leiteira em Taquari

  • Empresas Languiru e Promilk
  • Litros comercializados por mês = 115.179
  • Litros comercializados por dia = 3.839
  • Total de fornecedores em Taquari = 16

Conforme aponta o levantamento, 91% dos produtores locais são atendidos pela empresa Languiru, enquanto os 9% restantes realizam a venda para a empresa Promilk.

você pode gostar também Mais do autor

Comentários

Carregando...