Taquari cumpre requisitos e firma adesão ao Susaf

Na manhã desta terça-feira, dia 21, aconteceu a auditoria que concluiu a adesão de Taquari ao Sistema Unificado de Atenção à Sanidade Agroindustrial (Susaf). No encontro, realizado no Centro Administrativo da Prefeitura, estiveram presentes o prefeito Emanuel Hassen de Jesus, o Maneco, o vice-prefeito, André Brito, a chefe do Departamento de Vigilância Sanitária, Maria Izabel Appel, a assessora administrativa Maria Isabel Precht e Souza, os fiscais estaduais agropecuários Diego Viedo Facin e Augusto Weber, e o técnico agrícola Alexandre Gomes.

Há muitos meses Taquari vinha trabalhando com o objetivo de se adequar ao programa. A entrada do município no Susaf autoriza empresas locais a comercializar produtos de origem animal por todo o Estado. “É o resultado positivo do esforço e de uma grande mobilização da Vigilância Sanitária e do Poder Público. Agora, somente Taquari e outros 12 municípios do Rio Grande do Sul possuem essa permissão, o que é um orgulho para nós todos”, ressalta Maria Izabel.

Para o estabelecimento conseguir a entrada no programa, é necessário que atenda todas as exigências do Serviço de Inspeção Municipal (SIM) e da Vigilância Sanitária. Com a comercialização dos produtos por todo o Estado, os empreendedores taquarienses terão condições reais de prosperar ainda mais. “Temos de comemorar muito esse grande passo que estamos dando. A adesão ao Susaf, enfim concretizada, dará a possibilidade de as empresas incrementarem seu negócio e até mesmo aumentarem o número de seu quadro de funcionários”, avalia o prefeito Maneco.

A inclusão de Taquari no programa e os resultados da auditoria passam a vigorar após lançamento de portaria e publicação no Diário Oficial, prevista inicialmente para acontecer no prazo de até 15 dias.

Entenda o programa

O Susaf tem como prioridade garantir a integridade e a qualidade dos alimentos por meio de normas técnicas e de instruções em que a avaliação da condição sanitária esteja fundamentada em parâmetros técnicos de boas práticas agroindustriais e alimentares, respeitando as especialidades locais e as diferentes escalas de produção. Uma das vantagens é a oportunidade de agroindústrias cadastradas poderem participar de feiras, vendendo seus produtos em todo o território gaúcho.

Conforme dados do IBGE, existem no Estado quase oito mil agroindústrias familiares que, juntas, movimentam cerca de R$ 10 milhões por ano.

Quem participa?
As agroindústrias familiares, artesanais e de pequeno porte que produzem produtos de origem animal, cuja área industrial construída seja de até 250 metros quadrados (fora os anexos) e estejam legalmente constituídas, de acordo com a legislação municipal.

Quais são as obrigações do município?
Criar o Serviço de Inspeção Municipal (SIM), através de legislação municipal; estruturar e colocar em funcionamento o SIM; realizar o cadastro do SIM no Susaf, individualmente ou por meio de consórcios intermunicipais; fazer a fiscalização sanitária da produção das agroindústrias familiares do município; cadastrar as agroindústrias familiares no serviço e criar políticas de apoio às agroindústrias familiares.

E as da agroindústria?
Deverão ter registro no SIM de seu município e solicitar a adesão ao Susaf ao mesmo.

você pode gostar também Mais do autor

Comentários

Carregando...