Sindicato Rural define participação do Vale na Marcha das Margaridas

As lideranças dos agricultores familiares da região se reuniram, na última quarta-feira, dia 5, no salão comunitário de Santa Rita, em Estrela, para debaterem assuntos relacionadas à atividade. A ação foi uma iniciativa da Regional dos Sindicatos de Trabalhadores Rurais, coordenada por Luciano Carminatti. O evento iniciou às 9h, com a presença de representantes das entidades que compõem a regional. Um dos assuntos tratados foi a participação de 40 mulheres da Marcha das Margaridas, que será realizada em Brasília, no dia 12. A expectativa é que o público participante seja entre 30 mil e 60 mil.

Outro assunto que tomou boa parte da reunião foi a elaboração do Cadastro Ambiental Rural (CAR) que, após o treinamento de várias equipes ligadas aos sindicatos e outros órgãos que atuarão neste trabalho, começa a ter sua operacionalidade definida. Os sindicalistas, após debates acerca do assunto, entenderam que cada sindicato deverá avaliar a realidade de seu município e, assim, definir regras próprias para atender os agricultores. No entanto, este serviço será cobrado, com valores diferenciados, de acordo com a situação de cada produtor – associado ou não à entidade.

Cobrança do CAR

A realização do CAR deverá ser cobrada, tendo em vista que cada sindicato deverá disponibilizar funcionários para fazer o procedimento nas propriedades, cujos agricultores necessitem de auxílio. Isso implica em despesas com deslocamento e de tempo para apurar o imóvel a partir do sistema de satélite. A representante do STR de Teutônia, Liane Brackmann, sugeriu que a elaboração do CAR se dê por meio de uma parceria dos sindicatos com as prefeituras e escritórios da Emater e, quando isso não for possível, que se contrate pessoas capacitadas.

Reposição florestal

Um convênio existente entre a Cooperativa de Eletrificação Teutônia (Certel) e a Federação dos Trabalhadores na Agricultura (Fetag), para promover a reposição florestal em propriedades agrícolas, não deverá ser renovado. A informação foi trazida por Ricardo Jasper, da Certel, que lançou a ideia para que a Regional dos STRs estabeleça acordo neste sentido. As mudas de mais de 70 espécies nativas são repassadas aos produtores interessados, para que façam reflorestamento em Área de Preservação Permanente (APP).

Por meio deste sistema, a Certel cumpre com a exigência de reposição florestal obrigatória para compensar as áreas desmatadas para a passagem de suas redes de abastecimento de energia elétrica. Jasper informou que nos dois últimos anos a cooperativa repassou 237 mil mudas nativas, por meio deste projeto. Para 2015, a cooperativa dispõe, ainda, para distribuição, 20 mil mudas produzidas nos seus viveiros. A direção inclusive oferece palestras para orientar os agricultores sobre a execução do programa.

você pode gostar também Mais do autor

Comentários

Carregando...