Condomínio da Dália: Robôs serão instalados nas próximas semanas em Nova Bréscia

Com as obras civis em estágio final, o condomínio leiteiro com ordenha robotizada, em construção no município de Nova Bréscia, avança mais uma etapa. Orçado em R$ 5 milhões, o empreendimento será uma novidade tecnológica para a região, pois utilizará robôs na realização da ordenha das vacas que serão alojados a partir do mês de agosto.

De origem sueca, os equipamentos deverão ser instalados nas próximas semanas. No total, serão três conjuntos de robôs da marca DeLaval, fabricados na Suécia e importados para o Brasil, que realizarão o trabalho de “tirar” o leite das vacas.

O condomínio está localizado na comunidade de Linha Tigrinho Baixo, em uma área com 13 hectares e é composto por um conjunto de instalações, com um pavilhão principal de 120 metros de comprimento e capacidade para alojar 262 vacas no sistema de confinamento. Além do pavilhão central, o projeto conta com um galpão para máquinas, equipamentos e implementos; um galpão para a criação de terneiras; quatro silos que já armazenam 2,4 mil toneladas de silagem e 15 toneladas de feno; três casas residenciais para moradia dos funcionários, sendo uma concluída; e uma balança rodoviária.

Dos 262 animais que serão alojados, 210 estarão em lactação com uma média projetada para a produção de 30 litros de leite/vaca/dia. Os funcionários do condomínio terão apenas o trabalho de gerenciar o condomínio, controlar os robôs e fornecer a alimentação ao rebanho confinado, já que as máquinas serão as responsáveis por ordenhar as vacas. Através de um chip acoplado a um colar no pescoço, cada animal saberá qual o momento correto para a ordenha e alimentação.

O sistema, bastante utilizado por produtores na Europa, será realidade através da Dália Alimentos em quatro municípios dos vales do Taquari e Rio Pardo. Além de Nova Bréscia, também se encontram com obras em execução os condomínios de Roca Sales, Arroio do Meio e Candelária. O investimento total da Dália Alimentos no projeto associativo e com alta tecnologia empregada será de aproximadamente R$ 20 milhões.

O presidente do Conselho de Administração da Dália Alimentos, Gilberto Antônio Piccinini, garante que a expectativa em torno do início da operação dos condomínios é grande, tanto por parte das famílias que fazem parte dos projetos, quanto por parte dos associados da cooperativa. “Depois de concluídos, serão organizadas visitas aos condomínios junto ao quadro social, pois entendemos se tratar de um importante projeto-piloto que servirá para estimular as famílias a planejarem o futuro da produção leiteira.”

Segundo Piccinini, a Dália Alimentos, preocupada com o bem-estar e a qualidade de vida dos produtores, projeta que os associados se tornem produtores referência, com escala viável, equipamentos modernos e um futuro com maior renda.

Seleção do rebanho

De acordo com o zootecnista e supervisor do Setor de Gado Leiteiro da Dália Alimentos, Fernando Oliveira de Araújo, nos próximos dias terão início as visitas às propriedades dos associados que participarão do projeto para avaliação e seleção do rebanho que fará parte dos condomínios. “Vamos iniciar a seleção dos animais que entrarão no projeto obedecendo a alguns critérios previamente definidos. Será um trabalho em conjunto da equipe técnica e dos associados participantes do projeto”, explica.

O Programa Associativo de Produção Leiteira da Dália Alimentos, pioneiro no Brasil e que busca reunir produtores em um empreendimento de produção associativa, visa ao aumento da produtividade e renda dos associados. Os produtores serão sócios do empreendimento e responsáveis pela alimentação e aquisição das vacas. Eles participam adquirindo cotas, de acordo com o número de animais que alojarão.

A escolha da ordenha robotizada para esse projeto foi motivada pela busca de uma solução para o déficit de mão-de-obra na região e uma alternativa para incrementar a produtividade desses produtores familiares.

você pode gostar também Mais do autor

Comentários

Carregando...