Reforma de rodovias começa em março

O pavimento das rodovias estaduais na região – nos trechos sob administração da EGR – será substituído a partir de março. A estatal prevê para 12 de fevereiro a abertura da licitação para recapeamento asfáltico dos 173 quilômetros das três praças de pedágio: Cruzeiro do Sul, Encantado e Boa Vista do Sul. O serviço, avaliado em R$ 27,8 milhões, ocorre pelos próximos dois anos.

Quase oito meses se passaram desde que a empresa gaúcha assumiu a cobrança no lugar da Sulvias. Desde então, poucos serviços de manutenção foram realizados pela estatal. O mais comemorado pela comunidade regional foi a troca do pavimento em 3,6 quilômetros no trecho urbano de Lajeado, em outubro do ano passado.

Enquanto isso, outros locais permanecem precários, como nas proximidades do Posto do Arco, em Lajeado. Além de buracos, desníveis, sinaleiras estragadas e a falta de infraestrutura, a capoeira cresce às margens da ERS-130, cobrindo placas de sinalização.
Borracheiro instalado há 19 anos nas proximidades, Clóvis Dionísio, 41, destaca a necessidade de investimentos. De acordo com ele, o trecho é considerado um dos mais críticos da região, suscetível a recorrentes acidentes. “O asfalto parece um quebra-molas e as sinaleiras estão inoperantes há meses.”

O caminhoneiro Alberto Francisco Guimarães, 49, cobra urgência em obras de infraestrutura, como duplicação, rotatórias, viadutos ou passarelas. Conforme ele, parte das rodovias estaduais passa entre cidades, onde há grande circulação de pessoas e trânsito. “Cansei de ver acidentes por causa disso. Está na hora das propostas saírem do papel.”

Pedágios custeiam obras

De junho a dezembro do ano passado, a EGR arrecadou R$ 15,5 milhões nas três praças de pedágio do Vale do Taquari. Nesse período, a estatal desembolsou R$ 7,1 milhões, restando R$ 8,4 milhões em caixa para começar 2014.

Segundo o presidente da Comissão Permanente de Licitações da empresa gaúcha, Carlos Artur Hauschild, a arrecadação dos pedágios será suficiente para custear as obras pelos próximos dois anos. Cada praça custeará as reformas da sua área. “A qualidade do atual pavimento é ruim. Precisamos substituir tudo neste período. Não haverá prorrogação de contrato.”

Ao assumir a cobrança nos pedágios, a direção da EGR prometeu também planejar obras de infraestrutura. Algo inexistente nos últimos 15 anos, período de concessão à Sulvias. Tal organização, de acordo com Hauschild, é feita em paralelo aos investimentos em reformas, em debate recorrente com o Conselho Regional dos Pedágios (Corepe).

Infraestrutura

Em um desses encontros, cita, o grupo estipulou nove obras prioritárias para o Vale do Taquari. Uma delas está planejada para ocorrer nas próximas semanas, no acesso à Rota do Sol, em Estrela. Hauschild garante a reserva de dinheiro para esse tipo de investimentos. Próximo encontro com o conselho para tratar sobre o tema está marcado para dia 26 de fevereiro, na Acisam, em Arroio do Meio.
Na reunião será apresentado ao Corepe um levantamento das obras, tanto do custo de projeto como de execução. “Servirá de indicador para podermos elaborar um cronograma”, destaca a vice-presidente do grupo e presidente do Conselho de Desenvolvimento do Vale do Taquari (Codevat), Cíntia Agostini.

Ela analisa de forma positiva o desempenho da estatal. Como parâmetro, cita a transparência e a contratação de serviços de manutenção, guincho, ambulância e sinalização. Contudo, adverte que todas as atividades da empresa gaúcha serão monitoradas pelo conselho. Para isso, pede o apoio da comunidade para identificar os problemas.

Sugestões de melhorias

Recentemente, o conselho encaminhou ofício para prefeitos da região, solicitando diagnóstico dos gestores sobre mudanças nas áreas de faixa de domínio e cobra sugestões para a instalação de placas com informações turísticas. Relatórios devem ser concluídos até dia 15 de fevereiro, para análise na reunião do dia 26 do mesmo mês.

Trabalho semelhante foi desenvolvido com os prefeitos em dezembro, sobre a instalação de redutores de velocidade. O conselho encaminhou a lista de reivindicações à EGR. Gestores de cinco cidades formularam pedidos:

  • Arroio do Meio: redutor no Km 79, em frente ao mercado Dália, e outro no Km 82, entre os acessos do bairro Novo Horizonte e rua Dona Rita (VRS 482).
  • Encantado: redutores próximo ao acesso do bairro Santa Clara.
  • Estrela: redutor na RS-453, no trecho de acesso aos loteamentos populares III e IV.
  • Muçum: redutor no trevo do bairro Fátima, Km 86, outro no acesso ao bairro José Marcolin, Km 83. Um terceiro no acesso ao bairro Jardim Cidade Alta, Km 85.
  • Teutônia: redutor no trevo do bairro Teutônia, outro no acesso a Languiru e também no acesso a Canabarro.

você pode gostar também Mais do autor

Comentários

Carregando...