Produtores e lideranças pedem nova política para o setor leiteiro

Produdores e lideranças ligadas ao setor lotaram o plenário da Câmara

Assunto foi discutido na tarde desta quarta-feira, em audiência pública promovida pela Câmara de Vereadores

Produtores de diversos municípios, lideranças empresariais e sindicais lotaram o plenário da Câmara de vereadores de Estrela, na tarde desta quarta-feira (09.11), para discutir sugestões que venham a diminuir os prejuízos dos produtores de leite, que estão enfrentando dificuldades com a forte queda dos preços.  O encontro, promovido pelo Legislativo, a partir de proposição do vereador Marcelo Braun (PSDB), teve apoio da Secretaria Municipal da Agricultura.  A importação de leite em pó, principalmente do Uruguai, foi apontada como um dos principais fatores para a queda no preço. Conforme o secretário José Adão Braun, foram mais de 153,3 milhões de quilos este ano, 80% a mais do que no mesmo período de 2015. “Esta sangria, se não for estancada, vai ‘matar’ muitos dos nossos produtores”, alertou.
Braun apresentou sugestões a serem levadas ao governo, como a proibição de reidratação do leite em pó no país; a limitação das importações de produtos lácteos, através de cotas, especialmente dos países do Mercosul, e a aquisição, pelo governo federal, de estoques de leite para equilibrar a balança comercial. “O governo deu as costas aos nossos produtores de leite e faz uma política discriminatória. É preciso mudar esta política”, acrescentou o presidente do Sindicato dos Trabalhadores Rurais de Estrela, Rogério Heeemann. Já o presidente da Cooperativa Languiru, que também participou da audiência, criticou o governo, que segundo ele deixa os produtores locais “desprotegidos”. De acordo com Dirceu Bayer – que disse que a situação atual é de total desrespeito – outro setor que começará a enfrentar dificuldades é o de suínos, pois foi autorizada a importação de carne suína dos Estados Unidos.
Representantes de empresas também estiveram presentes, e apontaram que, além da importação, a questão fiscal deve ser revista, pois o leite que entra no Rio Grande do Sul não tem qualquer taxação, ao passo a produção gaúcha, quando vendida para outros estados, paga até 18% de impostos. Representando o deputado estadual Elton Weber (PSB), o chefe de gabinete do parlamentar, Airton Hochscheid, informou que o governo do Estado deve encaminhar a AL projeto para tributar o leite que vem de fora. No entanto, de acordo com o assessor, é preciso que se inicie discussão para estabelecer o preço futuro do leite. Ele convidou a todos os presentes para participarem de audiência pública na Assembleia Legislativa no próximo dia 28, quando a questão será discutida em nível estadual. Estrela deve mobilizar produtores para participarem do movimento.

Fonte Paulo Ricardo Schneider-Departamento de Comunicação e Marketing Prefeitura de Estrela

você pode gostar também Mais do autor

Comentários

Carregando...