Produção orgânica: Pela sustentabilidade da erva-mate

Secretários de Agricultura, produtores e membros de entidades e movimentos ligados à cadeia produtiva da erva-mate participaram, recentemente, da “Oficina para construção da sustentabilidade da cadeia da erva-mate e da araucária como estratégia de conservação da Mata Atlântica e de desenvolvimento regional na região do alto do Vale do Taquari”. A atividade foi organizada pelo Instituto Amigos da Reserva da Biosfera da Mata Atlântica. Na abertura, o vice-prefeito, Fábio Zerbielli, falou da preocupação que o município tem com as ações que promovam a sustentabilidade, destacando o valor pago, atualmente, pela arroba de erva-mate.

“Hoje o preço está ótimo para o produtor, mas não podemos esquecer que o mercado tem seus altos e baixos. Por isso, é fundamental pensarmos em uma produção que agregue valor, como a erva-mate orgânica. É um produto diferenciado, sem uso de agrotóxico, e com maior valor de mercado”, afirma. Os trabalhos foram conduzidos pelo engenheiro florestal da Biosfera, Marcelo Mendes do Amaral, que apresentou as ações que o Instituto desenvolve na busca pela preservação dos recursos naturais e da promoção de culturas nativas, como a araucária, na produção de pinhão, e erva-mate orgânica.

“A preocupação é com a produção, a preservação e conservação destas espécies. Hoje, a floresta de araucária reduziu em 3% e ela só se mantem por causa do pinhão”, observa. Segundo ele, o objetivo é fazer com que os produtores tenham uma visão de que a produção orgânica de erva-mate, aliada ao plantio de araucária, pode ser um caminho sustentável e rentável.

Produção orgânica

Durante a oficina, os participantes foram divididos em dois grupos: um apontou e analisou as cadeias produtivas existentes na região e qual a importância de cada uma delas; o outro grupo debateu os recursos naturais disponíveis, bem como seus graus de importância. Na oportunidade, também foram apontados os gargalos das cadeias e sugeridas medidas para que as dificuldades sejam superadas.

Para Amaral, mesmo que o foco da região seja a erva-mate, não se pode esquecer do que está em volta, como a araucária e as matas nativas. “O trabalho da oficina é fazer com que os produtores reconheçam a importância dos recursos naturais e das cadeias produtivas. Tanto a erva-mate quanto a araucária, possuem influência cultural, como o consumo do pinhão, por exemplo, mesmo que menos expressiva do que o chimarrão, pelo fato de não estar disponível o ano todo, mas ela a madeira também tem sua importância”, aponta.

Amaral alerta para as propriedades medicinais que a erva-mate possui. “Sabemos que são mais de 150, porém se a planta recebe agrotóxico ela não é mais medicinal. E não podemos esquecer que produção orgânica era praticada no passado, então ela é cultural, além de contribuir economicamente e socialmente. Uma erva-mate orgânica pode ser usada como medicamento e fazer parte do Sistema Único de Saúde, com isso teríamos a diminuição na procura por serviços de saúde, já que as pessoas não consumiriam agrotóxicos, e sim uma planta natural, o que consequentemente irá gerar economia para os municípios. Ou seja, são uma série de fatores que são influenciados pela produção saudável”, ressalta.

você pode gostar também Mais do autor

Comentários

Carregando...