País precisa proteger melhor seu conhecimento e a propriedade industrial

Presidente da FIERGS, Heitor José Müller, durante o Fórum de Proteção do Conhecimento Sensível

FIERGS recebeu o 2° Fórum de Proteção do Conhecimento Sensível

Porto Alegre, 24 de novembro de 2016 – O Brasil não dá a devida importância à propriedade industrial. No ano passado, foram apenas 35 mil pedidos de patentes no País, enquanto a China, por exemplo, recebeu 1 milhão de solicitações. O alerta foi feito pelo pesquisador do Instituto Nacional de Propriedade Industrial (INPI), Wilson Fogazzi, nesta quinta-feira (24), durante apresentação no 2° Fórum de Proteção do Conhecimento Sensível. Realizado pela FIERGS, em parceria com a Agência Brasileira de Inteligência (Abin) e o Instituto Nacional de Propriedade Industrial (INPI), na sede da Federação das Indústrias do Rio Grande do Sul, o evento teve como tema principal “A Vulnerabilidade das Startups no Universo da Disputa pela Inovação”.
O propósito do Fórum foi alertar quanto às ameaças que os desenvolvedores de inovações passam no Brasil. “No Rio Grande do Sul, nos acostumamos a assistir as transferências de fábricas para outros Estados e, recentemente, até para outros países. Essa ‘relocalização’ geográfica, física, no entanto, vem acompanhada atualmente de uma questão muito mais importante. Trata-se da ‘realocação’ do conhecimento. Nesse contexto, não podemos admitir a perda de inteligência. Portanto, há um acervo que não é físico, que fica na ‘nuvem’, que necessita ser protegido”, destacou o presidente da FIERGS, Heitor José Müller, na abertura do evento.O caso real da SuperCooler – empresa  que criou um resfriador portátil de bebidas – foi apresentado no primeiro bloco do evento, por meio do seu sócio-fundador Rafael Schiavoni, que relatou alguns riscos que teve que superar para não perder a  invenção, além do processo que envolveu o desenvolvimento e o registro do projeto.
A Contraespionagem Industrial e os Riscos nas Redes Sociais foi o tema abordado pelos representantes da Abin Sérgio Malta e Robertson Frizero.
O Fórum contou ainda com as presenças do secretário estadual de Desenvolvimento Econômico, Ciência e Tecnologia, Fábio Branco; do   superintendente estadual da Abin no Rio Grande do Sul, Clóvis Roberto Frainer; da representante do chefe do Escritório de Difusão Regional Sul 1 do INPI, Julieta Macedo; e do diretor do CIERGS e membro do Conselho de Inovação e Tecnologia da FIERGS, Aderbal Fernandes Lima.
O industrial observou que startups são hoje as grandes geradoras de conhecimento. “Temos que prevenir os riscos de que esse estoque inventivo possa ser usurpado. Perder inovação significa perder PIB”, ressaltou.

Fonte UNICOM - Unidade de Comunicação Sistema FIERGS

você pode gostar também Mais do autor

Comentários

Carregando...