“Mudar é difícil. Não mudar é fatal”, afirma Leandro Karnal na 17ª Convenção Lajeado

Foi com um dos mais comentados e críticos historiadores do Brasil que a CDL Lajeado fechou a 17ª edição de seu mais importante evento anual de capacitação.

Durante quase duas horas, Leandro Karnal palestrou na Convenção CDL Lajeado. A atividade lotou as dependências do Clube Tiro e Caça e superou as expectativas com 865 pessoas presentes. Entre tantas frases de efeito de Karnal, a plateia ouviu que “Mudar é difícil. Não mudar é fatal”. As palestras de mais três profissionais – Gustavo Bozetti, João Miragem e Carolina Bahia – completaram a programação que teve como foco “O mercado mudou. Reinvente-se!”. Para o presidente da entidade, Heinz Rockenbach, foi um dia de integração, mas principalmente de muito conhecimento e atualização. Prestigiado por autoridades e participantes vindos de cerca de 50 cidades gaúchas, a Convenção deste ano já serviu de impulso para 2018. E coube ao coordenador e vice-presidente de Capacitação, Ricardo Luís Diedrich, já fazer o convite oficial. “No ano que vem, nos reencontramos no dia 21 de junho, sob o tema “O poder do consumidor”.

Na abertura, a Convenção contou com a presença do prefeito Marcelo Caumo, do presidente da Câmara de Vereadores Waldir Blau, do deputado estadual Frederico Antunes, representando a Assembleia Legislativa, e do presidente da Associação Gaúcha do Varejo (AGV), Vilson Noer. Música do Projeto Adolescente Legal, show do saxofonista Bernardo Hunecke, sorteio de prêmios, entre outras atrações, completaram o evento.

Fazer a diferença

Abrindo a programação, o coach pessoal e profissional, presidente da Master Mind Treinamentos no Rio Grande do Sul, Gustavo Bozetti comandou a palestra “Você é a mudança”, destacando a necessidade de evolução pessoal e profissional e alertando que “mudar não é uma opção. Mudar é obrigação”. Segundo ele, as pessoas agem baseadas em hábitos e conhecimentos adquiridos no passado e o sentimento de segurança gerado por isso pode ser prejudicial para a sobrevivência no mercado. “Se não fizer nada diferente hoje, começo a repetir o meu passado lá no meu futuro”, avisou. Ele ressaltou que apesar da mudança ser rápida e superficial e a transformação lenta e profunda, ambas acontecem o tempo todo e devem estar integradas à cultura organizacional.

Ao afirmar que “quem não tem direção, não percebe as oportunidades”, apontou a relevância da missão, visão e valores para a definição do propósito de existência da empresa e garantiu que quanto mais as pessoas tiverem convicção no sucesso, maior a probabilidade de ele acontecer de fato. Bozetti ainda atentou para as exigências do mercado, que é guiado por critérios em constante mutação e onde não há certo ou errado. Ele reconheceu que mesmo havendo uma revolução tecnológica, quem constrói as organizações são os colaboradores e aconselhou: “Faça a diferença na vida das pessoas porque são elas que vão construir a escada do teu sucesso”.

Os novos consumidores

Ao afirmar que as mudanças de comportamento alteram a forma como o mundo vai se apresentar daqui para frente, o publicitário João Miragem levou a plateia à reflexão sobre as transformações impostas ao varejo. O palestrante destacou a influência da Geração Z, a qual exige que se olhe para a forma como seus membros se comunicam, se engajam, se relacionam e compram, buscando adaptações a novas demandas. “São consumidores que aceitam as coisas de um jeito diferente, são menos preconceituosos e por isso mais dispostos a experimentar coisas diferentes”, observou.

Miragem comentou sobre o avanço da tecnologia e a necessidade dessa evolução nos negócios do varejo. Contudo, lembrou que isso não significa que tudo será e-commerce daqui pra frente. “Achar que as compras migrarão 100% para ambientes online não faz sentido. O que precisamos entender como varejistas é que essa divisão feita por nós entre o ON e o OFF não é feita pelas pessoas no seu dia a dia. Pra quem tá lá fora, tudo é vida. Dessa forma, os cruzamentos entre plataformas vão fazer cada vez mais sentido”.

Ao finalizar sua fala, o publicitário advertiu que nada é tão importante quanto as pessoas. “Pessoas são muito mais interessantes que marcas e negócios. São elas que vão fazer os nossos negócios serem melhores. Independente de moda e tecnologia, no final tudo é comportamento humano”.

Cenários da política nacional

Em virtude da grande turbulência no cenário político nacional, a jornalista Carolina Bahia apresentou sua palestra por meio de uma videoconferência diretamente de Brasília, de onde acompanha as denúncias e as articulações que envolvem o governo federal. Ela informou: “Não passa pela cabeça do presidente renunciar. A estratégia é engavetar a denúncia e aprovar as reformas”. Caso Temer seja afastado do cargo, Carolina cogita Marina Silva, José Serra, Joaquim Barbosa, Jair Bolsonaro e o ex-presidente Lula, mas confessou que não existe um nome de consenso nacional para assumir a presidência.

Quanto às reformas em andamento, atestou que no plenário da Câmara o governo tem votos para aprovar a Trabalhista, mas que dificilmente passará a Previdenciária. Ressaltando a importância da estabilidade política para a manutenção da economia, afirmou: “Se o presidente perder a credibilidade a ponto de não atrair mais investimentos, será uma tragédia para o país”. Para as eleições de 2018, ela projeta um grande número de candidatos e acredita que possam aparecer personalidades de fora do ambiente político, mas que o eleitor deve escolher aquele que também saiba ser gestor. “Não dá para aceitar partidos que venham ao Congresso Nacional fazer negócios”, advertiu. Assegurando que outros políticos também serão condenados, a jornalista salientou: “A Lava Jato está aí para provar que quem erra, seja no meio empresarial ou no político, tem que pagar e pagar com a prisão”. Finalizando sua participação, Carolina desejou: “Diante de tudo o que está acontecendo, que a gente possa dar um passo importante contra a corrupção”.

Mudança para não ficar para trás

Esse mesmo momento delicado do país e as perspectivas pessimistas para o futuro também guiaram a explanação de Karnal. De uma forma leve e descontraída, muitas vezes provocando risos na plateia, o palestrante lembrou que crises não são eternas e que o mundo está em constante transformação: “Quem não está mudando, está ficando para trás”. Ele falou sobre um incômodo: “As pessoas dizem que mudar é negativo e que a mudança sempre tem um custo”, mas reiterou que o mundo premia a inovação e a racionalidade: “não ousar é morrer um pouco a cada dia”. Ao abordar a necessidade de se antecipar aos acontecimentos, o professor confirmou a importância da definição de estratégias: “Não se toma ação no futuro. Se toma ação agora olhando para o futuro”. Karnal assegurou que a vida é feita de oscilações e que todas as escolhas geram perdas, afirmando que “o empreendedorismo não é para todas as pessoas; ser protagonista é uma decisão muito especial e permanente”. Segundo ele, um bom estrategista tem visão micro e macro, e o foco nos objetivos aliado ao olhar sobre tudo e todos garante ao administrador a multifuncionalidade. Aplaudido de pé por cerca de 20 segundos, Karnal finalizou revelando que a gestão de mudanças passa pela consciência de que somos sócios majoritários da nossa existência e que quando se tem ação, estratégia e mudança, a felicidade pessoal e profissional fica mais próxima de ser alcançada. “Conheça a si mesmo. Lembre-se que a vida não é um ensaio. Vida é agora e ela passa cada vez mais rápido”, aconselhou.

Fonte Simone Rockenbach

você pode gostar também Mais do autor

Comentários

Carregando...