Meio ambiente, alimentos e energia renovável ganham força com o Tecnovates

No mês de junho, a Univates inaugurou mais uma obra de referência para a região: as novas instalações do Parque Científico e Tecnológico do Vale do Taquari – Tecnovates. Com cerca de 5,2 mil metros quadrados de área construída, o espaço é destinado ao desenvolvimento do conhecimento, da ciência e da tecnologia, com foco na produção de alimentos e na proteção do meio ambiente.

O local já conta com seis empresas residentes: Bidatek, na área de tratamento de águas residuais; a9 Projetos – Nealtec, que atua com projetos industriais; iN2, no âmbito da tecnologia da informação e de telemetria; Cageri, na área de avicultura; Launer, que atua na área de indústria química; e Solis, com experiência no âmbito de tecnologia da informação. Além disso, com a integração com a Incubadora Tecnológica da Univates – Inovates, são outras 22 empresas vinculadas, sendo 10 incubadas e 12 graduadas até o momento.

A estrutura disponibilizada pelo Tecnovates oferece espaços para instalação de empresas, como salas e terrenos, Laboratório de Pesquisa e Desenvolvimento (P&D), auditório com 136 lugares, salas de capacitação, salas de reunião, espaços de convivência, lanchonete, estacionamentos, serviços de vigilância, conexão de internet e datacenter e conexão de telefonia. Os cinco Laboratórios de Pesquisa e Desenvolvimento envolvem as áreas de Microbiologia de Alimentos, Química de Alimentos, Biotecnologia de Alimentos, Gerenciamento de Resíduos na Área de Alimentos e uma Micro Usina de Leite e Derivados.

Já na área dos laboratórios de análises vinculados ao Unianálises, são realizadas análises físico-químicas, microbiológicas, de nutrição animal e análises por meio da tecnologia NIR (Espectrometria de Infravermelho Próximo). Além disso, o local ainda conta com o Laboratório do Leite, onde são realizadas análises laboratoriais em amostras de leite cru oriundo de propriedades rurais e de laticínios.

De acordo com o diretor administrativo do Tecnovates, professor Eloni José Salvi, os pesquisadores doutores que atuam no local podem auxiliar as empresas a desenvolverem novos produtos e serviços em diversas áreas, como bebidas, biorremediação, compostagem, doces e confeitos, farináceos, genética, lácteos, nutracêuticos, nutrigenômicos e proteômica.

Até o fim deste ano, a estrutura do Tecnovates deve ser totalmente abastecida com energia solar, proveniente de cerca de mil painéis solares fotovoltaicos instalados no local, e com uma usina de energia da biomassa. A energia restante será enviada para a rede elétrica, com o objetivo de auxiliar o abastecimento de energia dos demais prédios da Univates.

Parque conta com edital permanentemente aberto

Para receber empresas interessadas em realizar projetos de pesquisa e desenvolvimento, o Tecnovates conta com edital permanentemente aberto. As áreas prioritárias são relacionadas a meio ambiente, alimentos e energia renovável. No entanto, o edital está aberto a todos os demais interessados. O contato deve ser feito diretamente com a administração do local, pelos e-mails inovates@univates.br, no caso de novas empresas, e tecnovates@univates.br, para empresas já existentes.

Os equipamentos disponíveis nos laboratórios permitem realizar ensaios como: análise de açúcares, agrotóxicos, vitaminas, conservantes, proteínas, antibióticos, carboidratos, aminoácidos, agrotóxicos, antibióticos, hormônios, vitaminas, óleos essenciais, hidrocarbonetos, controle ambiental, determinação de drogas, análises qualitativas de elementos, tanto compostos orgânicos, como inorgânicos, análises multielementares de metais a nível traços, ou seja, ppb (partes por bilhão) e ppt (partes por trilhão), análises de microestruturas de materiais sólidos com imagens de alta ampliação e resolução. O local possibilita a realização de análises qualitativas do material (pode ser utilizado em estudos nanotecnológicos e biotecnológicos), análise da variação da massa em função da temperatura ou tempo (utilizado para análise de fármacos, minerais, polímeros, ligas metálicas, resíduos), medição da energia absorvida ou liberada em função do tempo ou temperatura, e uma Microusina de Leite e Derivados, em escala piloto, com capacidade de produção diária de 300 L de derivados de leite, como ricota, iogurte, queijos, dentre outros.

Mais informações podem ser conferidas no site www.tecnovates.com.br.

você pode gostar também Mais do autor

Comentários

Carregando...