Mais de 200 pessoas prestigiam Fórum de Manejo de Solos de Teutônia

O auditório central do Colégio Teutônia, no município de mesmo nome, ficou praticamente lotado na última quinta-feira, dia 11, para o primeiro Fórum de Manejo de Solos. Na ocasião, mais de 200 pessoas, entre agricultores, técnicos, autoridades e representantes de prefeituras e outras entidades de diversos municípios dos vales do Caí e Taquari, prestigiaram o evento, que teve como tema “Solos e Água na Produção de Animais”. A promoção foi da Associação dos Engenheiros Agrônomos do Vale do Taquari (Aseat) e Emater/RS-Ascar, com o apoio da Secretaria de Desenvolvimento Rural e Cooperativismo (SDR) e Colégio Teutônia.

O assistente técnico regional em Manejo de Recursos Naturais da Emater/RS-Ascar, engenheiro agrônomo Marcos Schäfer, lembrou o fato de a Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO) ter declarado 2015 como o Ano Internacional dos Solos, assim como 2014 já havia sido dedicado à agricultura familiar. “Assim, ao chamar a atenção para este tema (manejo de solos), despertando a consciência das pessoas, especialmente das autoridades que possuem o poder de tomar decisões e de instituir políticas públicas, estamos dialogando com aquilo que foi determinado no ano passado pela ONU”, enfatiza.

Muitas vezes, ressalta Schäfer, a importância do solo se torna secundária na vida dos agricultores. “Ao provocar discussões capazes de dar ao solo a sua devida importância, estamos tratando-o de forma adequada”, analisa. Para o agrônomo, o sistema pode ser comparado a um útero, como se a terra fosse uma espécie de “mãe” para a produção de alimentos. “Isso porque a semente é acolhida em seu interior, nutrida e cuidada até que se desenvolva”, observa. “Nesse sentido, o Fórum também visa a apontar caminhos e soluções para o manejo de solos na criação de animais”, finaliza.

Entre os palestrantes, esteve o assistente técnico estadual em Sistema de Produção Animal da Emater/RS-Ascar, zootecnista Jaime Eduardo Ries, que abordou o tema “Manejo de Bovinos para Evitar a Degradação do Solo”. Ries ressaltou a necessidade de haver equilíbrio entre os três componentes – animal, plantas e solo. “A vaca precisa comer e as folhas (do pasto) precisam fazer fotossíntese, sendo importante, portanto, um manejo adequado da pastagem”, enfatizou. “Outro ponto importante é a distribuição de nutrientes, no solo, que pode contar com a contribuição do próprio animal, por meio dos dejetos”, disse.

Outros painéis abordaram temas como “Solos na Integração da Lavoura-Pecuária”, ministrado pelo pesquisador da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (Ufrgs), Felipe Carmona; “Solos e a Qualidade das Águas Superficiais”, proferida pelo professor da Universidade Federal de Santa Maria (UFSM), Jean Minella; e, fechando o dia, outro professor da UFSM, Celso Aita, que tratou dos “Efeitos do Uso e Manejo de Dejetos Animais Sobre o Ambiente”. “Com este conjunto de temas, penso ter sido possível abordar num contexto mais amplo, a importância da conservação do solo para a produção de alimentos saudáveis e nutritivos”, ponderou Schäfer.

Entre os produtores, o agricultor André Alba, de 19 anos, morador da localidade de Linha Zanella, em Doutor Ricardo, era um dos que acompanhava atentamente as palestras. “Na propriedade em que moro com meus pais, temos a intenção de implantar um pomar de nozes”, explicou, falando em seguida sobre a importância de se conhecer mais sobre o tema para “não começar errado”. Determinado a permanecer na propriedade, Alba valoriza a diversificação como um dos caminhos para as propriedades agrícolas. “Na nossa área trabalhamos com avicultura, bovinocultura de leite, milho e cultivo de eucalipto”, relata. “Dificilmente conseguiria ganhar na cidade o que ganho trabalhando no campo”, comenta.

O Fórum contou ainda com a presença de diversas autoridades, entre elas o subsecretário de Agricultura de Teutônia, Luiz Rückert, na ocasião representando o prefeito Renato Altmann; o assistente técnico estadual (ATE) em Recursos Naturais da Emater/RS-Ascar, Edemar Valdir Streck; gerente adjunto da Emater/RS-Ascar de Lajeado, Carlos Lagemann; vice-presidente da Aseat, Andréia Binz; diretor do Colégio Teutônia, Jonas Rückert; e representante da Fundação Agrícola Teutônia, mantenedora do Colégio Teutônia, Silvério Brune.

você pode gostar também Mais do autor

Comentários

Carregando...