Instalação da Ecometano em Estrela está em análise na Fepam

A instalação definitiva da unidade gaúcha da Ecometano agora só depende da autorização da Fundação Estadual de Proteção Ambiental (Fepam).

A licença prévia de instalação foi aprovada e o projeto aguarda o aval do governo para sair do papel. O investimento é de R$ 100 milhões e a capacidade produtiva é maior do que o todo o consumo de gás natural do Vale.

O empresário Ito Lanius, que é sócio do grupo fluminense, explica que o tempo médio de espera para emissão de uma licença ambiental da Fepam é de seis meses.

“Mas é difícil fazer uma previsão exata. A gente quer, o quanto antes, poder dar início a essa obra para começar a produção de gás natural e adubo orgânico.”

A fábrica será instalada na localidade de Santa Rita, em um dos acessos secundários a Estrela, pela BR-386. A alimentação dos reatores e biodigestores da planta será formada por resíduos de classificação 2.

São dejetos da produção de agroindústrias, como o lodo gerado a partir da produção de alimentos. “Como vamos produzir adubo e gás, o resíduo não pode ser contaminado.”

A Folhito – empresa local -, fará a operação da Ecometano. Já o investimento de R$ 100 milhões é da empresa do Rio de Janeiro que mantém outras unidades em Salvador – Bahia e São Paulo – capital.

Quando estiver operando com 100% de sua capacidade, a planta da Ecometano fabricará 700 toneladas de adubo orgânico por dia e 35 mil metros cúbicos de gás natural. “Seguramente, essa produção de gás será maior do que o consumo atual do produto no Vale do Taquari”, destaca o empresário. A produção de gás será adquirida pela estatal Sulgás.

Pesquisa para produção

A Univates mantém pesquisa constante na descoberta e geração de energias sustentáveis na região. O professor Odorico Konrad liderou, em 2015, um projeto pioneiro no Rio Grande do Sul.

Encomendado pela própria Sulgás, a equipe de Konrad desenvolveu o Atlas da Produção de Biomassa no Rio Grande do Sul. O estudo mapeou as possibilidades energéticas a partir da produção de dejetos no Estado. Dentro do mapa, o Vale do Taquari tem três áreas com potencial de fornecimento de biomassa a Ecometano.

Na primeira região estão os municípios de Westfália, Teutônia, Imigrante, Poço das Antas, Colinas e Paverama. A segunda área engloba as cidades de Arroio do Meio, Nova Bréscia, Roca Sales, Muçum e Capitão. A terceira região está em Lajeado, pelo volume de lodo industrial gerado a partir da produção de alimentos.

O projeto

A apresentação do projeto da fábrica ocorrerá no dia 15 de abril, durante a primeira reunião-almoço da Câmara de Indústria, Comércio e Serviços (Cacis) de Estrela. No evento, são esperados executivos da Ecometano. O encontro terá como palestrante o prefeito de Estrela, Carlos Rafael Mallmann, e trará o cronograma de instalação da empresa no Vale.

você pode gostar também Mais do autor

Comentários

Carregando...