Indústria do Vale garante o estoque do consumo regional

Da sala de estar à lavanderia, praticamente tudo que se consome entre produtos de limpeza, móveis, decoração, vestuário e alimentação são fabricados na região. Segundo dados do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE), são 3.757 indústrias de transformação ativas no Vale, responsáveis pela segunda colocação – tanto no valor adicionado bruto (VAB), quanto na composição do Produto Interno Bruto (PIB), do Vale.

Para o presidente da Federação das Indústrias do Estado do Rio Grande do Sul (Fiergs), Heitor José Müller (75), somente onde a indústria se mantém ativa há desenvolvimento.

De acordo com Müller, o próprio Censo Demográfico feito pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) aponta que no intervalo de uma década (2000-2010), as cidades que mais cresceram em quantitativo populacional foram as que tiveram a indústria como atração.

A observação do presidente da Fiergs confere, inclusive, com o que apresenta a nova estimativa de crescimento populacional do IBGE. De acordo com o instituto, o estudo divulgado na última semana mostra que, em 2014, a população da região cresceu em 1,9 mil habitantes. “Todas as regiões do Estado deveriam ser parecidas com o Vale do Taquari, porque além da diversidade, o Vale tem a agricultura e pecuária como fomento à indústria, em condição que favorece dois setores da economia de uma só vez.”

Conforme o presidente da Fiergs, bens de consumo, como alimentos, produtos de higiene e limpeza, vestuário e mobiliário, são itens que mesmo sob a sombra da retração econômica mantêm-se na preferência do consumo. “Vivemos um período difícil, isso é inegável. No entanto, as dificuldades da indústria ficam mais concentradas nos segmentos que produzem bens de valor maior. A indústria do Vale fabrica aquilo que é consumido no dia a dia da população, por isso está ativa”, pontua Müller.

Modelo histórico

De acordo com a economista Cintia Agostini (36), para entender como se organiza a indústria regional é preciso viajar ao passado, até a época da colonização do Vale do Taquari, a partir do que a economia chama de “colonização de povoamento”.

Os imigrantes colonizadores vieram para a região com o compromisso de cultivar a terra e ocupar áreas inabitadas. “Por conta das características geográficas, essas terras eram formadas por pequenos lotes e esse é um fator predominante até hoje”, destaca Cintia. Isso ocorreu no século XIX.

Já no século passado, a cultura do associativismo e do cooperativismo, que vêm de uma lógica de interação social e ajuda mútua, consolidaram a formação das pequenas propriedades. Essas continuam com mão de obra familiar e se transformaram em pequenos negócios focados na prestação de serviços, no comércio ou na indústria.”Foram as pessoas da região que prioritariamente consolidaram a economia do Vale e não as lógicas determinadas por grandes empresas externas. Claro que estamos inseridos neste mercado e hoje temos essas empresas aqui, mas elas competem com as empresas que nasceram no Vale do Taquari, a partir da interação destas com a sociedade regional”, explica.

Além disso, a proximidade com outras regiões e a centralidade da região também contribuem para a diversidade produtiva. Se atualmente a indústria é diversificada, essa característica é uma herança histórica, aliada às condições geográficas e a formação econômica, social e cultural. “E essa diversidade permite que a região não sofra tanto com crises em setores específicos, pois quando isso ocorre, a mão de obra e os recursos são logo deslocados para outra cadeia produtiva.”

Indústrias pequenas são maioria

Segundo a gestora de projetos do Sebrae – Vales do Taquari e Rio Pardo -, Cláudia Regina Khun (46), o desenvolvimento regional é considerado amplo, porque começa na pequena propriedade rural e dentro dela mesma ocorre a transformação da matéria prima em produtos de valor agregado, constituído essencialmente de pequenas indústrias.

O Vale também tem características distintas de outras regiões, como por exemplo, da Serra Gaúcha. De acordo com a gestora, as indústrias regionais são menores em escala de tamanho e número de profissionais, no entanto, garantem produtos para o consumo interno e para outras partes do estado. “Um exemplo é a indústria moveleira que é composta por pequenas e médias empresas, mas atende a diferentes regiões”, pontua.

Em uma comparação feita a partir da quantidade de indústrias na região – 3.757 – e a quantidade de empregos gerados – 45.714 -, a taxa de empregabilidade no setor é de doze trabalhadores para cada estabelecimento.

No quarto

Camisas Mepase
Número de funcionários: 130
Segmento: vestuário masculino/feminino (camisas masculinas)
Cidade: Forquetinha

Rosa Trip
Número de funcionários: 12
Segmento: vestuário com destaque para confecção feminina
Cidade: Lajeado

B&A Confecções
Número de funcionários: 6
Segmento: vestuário, fabricação de uniformes
Cidade: Estrela

Forma Sul
Número de funcionários: 22
Segmento: confecção, com ênfase na moda jovem e feminina
Cidade: Lajeado

Na sala de estar

Móveis Vigolo
Número de funcionários: 19
Segmento: móveis sob medida com uma linha própria de objetos de decoração
Cidade: Lajeado

Móveis Maharo
Número de funcionários: 11
Segmento: móveis sob medida
Cidade: Lajeado

Prosmóvel
Número de funcionários: 38
Segmento: moveleiro
Cidade: Progresso

Móveis Reeps
Número de funcionários: 50
Segmento: móveis sob medidas e modelos próprios
Cidade: Lajeado

Na cozinha

Biscobom
Número de funcionários: 90
Segmento: indústria de biscoitos
Cidade: Mato Leitão

Divine Chocolates
Número de funcionários: 70
Segmento: chocolate/doces
Cidade: Encantado

Minuano
Número de funcionários: 2,6 mil
Segmento: embutidos e cortes de frango
Cidade: Lajeado (matriz e abatedouro)

No banheiro

Vini Lady
Número de funcionários: 100
Segmento: cosméticos para tratamento capilar, corporal, facial e de higiene
Cidade: Encantado

Artherz
Número de funcionários: 8
Segmento: cosméticos
Cidade: Lajeado

Na lavanderia

Lubrilimp
Número de funcionários: 12
Segmento: produto de limpeza, nas linhas automotiva, doméstica e piscinas
Cidade: Cruzeiro do Sul

Gota Limpa
Número de Funcionários: 154
Segmento: produtos de limpeza e limpeza doméstica
Cidade: Imigrante

Girando Sol
Número de funcionários: 320
Segmento: produtos de limpeza doméstica
Cidade: Arroio do Meio

você pode gostar também Mais do autor

Comentários

Carregando...