Grupo internacional conhece projetos da Dália Alimentos

As estratégias da Dália Alimentos para manter os pequenos produtores no campo foram a mola precursora de um encontro que reuniu representantes de cinco países na sede da cooperativa, nesta segunda-feira, dia 11l. Integrantes da Nuffield Foundation conheceram a estrutura da empresa, com enfoque para dois projetos: Condomínios Leiteiros com Ordenha Robotizada, já em funcionamento em Nova Bréscia e em fase de construção em Arroio do Meio, Roca Sales e Candelária; e Projeto ASA – América Sociedade Avícola, a ser executado ainda neste ano.

Quem recepcionou o grupo, composto por nove pessoas – entre fazendeiros, empreendedores e empresários ligados ao agronegócio da Austrália, Nova Zelândia, Irlanda, Holanda e Inglaterra – foi o gerente da Divisão Produção Agropecuária (DPA), Igor Weingartner e o supervisor do Setor de Gado Leiteiro, Fernando Oliveira de Araújo. Weingartner explanou sobre as estratégias adotadas pela Dália, com o objetivo de buscar alternativas para reduzir o impacto do êxodo rural e tentar manter o produtor no meio rural, além dos investimentos realizados em ambos os projetos que viabilizam a renda dos associados.

Num bate-papo recheado de questionamentos, Weingartner sanou as dúvidas do grupo que está na segunda de um total de quatro etapas que compõem o projeto Nuffield. Segundo a coordenadora do grupo, Sally Thompson, a Nuffield consiste em uma organização que oferece bolsas de estudo a empreendedores que desejam conhecer mais acerca do setor do agrobusiness mundial. Com início na Inglaterra, na década de 1950, possui membros em sete países, sendo o Brasil o possível oitavo país membro a integrar esse grupo.

No total, são 80 bolsistas participando, sendo que a bolsa tem duração de 16 semanas, divididas em dois anos. O grupo que esteve visitando a Dália Alimentos já conheceu cinco países e na próxima etapa viaja individualmente e, na quarta e última, divulga os resultados do trabalho e das visitas realizadas.

Para Weingartner, a visita da comitiva internacional proporcionou uma troca e um debate de ideias e informações. “Essas pessoas fazem parte de um grupo misto de produtores que enfrentam ou enfrentaram dificuldades semelhantes as que nos deparamos diariamente. Ficamos orgulhosos em saber que aquilo que estamos fazendo, de alguma maneira, pode contribuir para o desenvolvimento de ideias em outros países, e vice-versa.” E complementa: “muitas das ideias implantadas na cooperativa são inspiradas em modelos vistos em outros lugares, porém, adaptados à nossa realidade. Isso vem ao encontro do que almejamos e poderá abrir portas para intercâmbios futuros”, pontua.

Saiba mais

Atualmente, o Brasil participa da rede Nuffield International como país associado. Em um futuro próximo, dependendo do desenvolvimento das ações necessárias e organizacionais, o Brasil poderá integrar o grupo de países membros da Nuffield.

Em 1950, a Nuffield teve início no Reino Unido, com o objetivo de disponibilizar bolsas para produtores rurais viajarem em busca de conhecimento e inovação. A Nuffield iniciou sua consolidação no Brasil a partir de 2007, quando Jim Geltch (secretário da Nuffield International) encontrou Milton Suzuki (Bayer). Desde então, a Global Focus Program traz, a cada ano, uma turma de dez participantes ao Brasil.

Mais de 50 bolsistas já estiveram no Brasil realizando suas pesquisas – alguns, inclusive, desenvolveram agronegócios no país. Seis brasileiros já foram selecionados, através de um processo seletivo, para participar da Conferência de Novos Bolsistas, realizada anualmente desde 2013.

A primeira bolsa da Nuffield International foi destinada à brasileira Cecília Fialho, de Uberlândia (MG), patrocinada pelo TIAA-CREF. O Brasil foi escolhido pela Nuffield International para sediar a Conferência de Novos Bolsistas, que será realizada entre os dias 11 e 18 de março de 2017.

você pode gostar também Mais do autor

Comentários

Carregando...