G Leite decide avançar no processo de certificação

Reunidos em Capitão, os seis municípios da Comarca de Arroio do Meio que compõem o Grupo do Leite – G Leite, Arroio do Meio, Capitão, Coqueiro Baixo, Nova Bréscia, Pouso Novo e Travesseiro, decidiram consolidar a certificação das suas propriedades como livres de tuberculose e brucelose bovina, mas também começar a trabalhar pautas que passem a dar vantagens aos produtores e economias municipais com este status.

Perspectivas

O prefeito de Capitão, César Beneduzzi, informou que o município está priorizando a atividade agropecuária pela importância que a suinocultura, avicultura e pecuária leiteira têm na economia local. Segundo ele “é hora de trabalharmos políticas conjuntas que nos levem ao desenvolvimento dos municípios, dependentes diretamente do setor primário, buscando o necessário retorno aos produtores e aos cofres municipais pelos investimentos feitos”.

Gilnei Agostini, prefeito de Nova Bréscia, vê no foco ao desenvolvimento da cadeia do leite uma das grandes oportunidades de desenvolvimento das economias dos municípios menores. “O trabalho conjunto de grupos, como o G Leite, nos permite ganhar tempo na evolução que buscamos na cadeia produtiva”, afirma. “As lições positivas do associativismo devem ser apropriadas pelas administrações municipais, trabalhando em rede e em conjunto temas e atividades econômicas que tragam desenvolvimento e bem estar social”, acrescenta.

Sidnei Eckert, prefeito de Arroio do Meio, disse que a pauta e encaminhamentos positivos do encontro mostram que não se pode perder os avanços e a dianteira que o trabalho pioneiro no país dá ao grupo.

Também estiveram presentes ao encontro: prefeito Luiz Buttini (Pouso Novo), vice- prefeitos Reginaldo Zambiasi (Coqueiro Baixo) e Fabiano Daltoé (Capitão), secretários municipais da Agricultura Leandro Berwanger (assessor em Arroio do Meio), Ildo Godói e assessor André Rosenbach (Travesseiro), Natalicio Berlamindo (Pouso Novo), Aventino Soldi e assessor Eduardo Salami (Coqueiro Baixo), Valmir Morschheiser (Capitão), Cristiano Carlos Laste (Nova Bréscia), Luiz A. Radaelli e Ardêmio Heineck (coordenação operacional do Projeto Piloto e do G Leite).

Decisões do encontro

  • a) Corroborar decisão da reunião de 17 de abril, consolidando a unicidade do grupo de municípios através do G Leite e manter uma coordenação estratégica e operacional através da assessoria de Ardêmio Heineck;
  • b) buscar na Superintendência Estadual do Ministério da Agricultura (Mapa), com o apoio operacional da Secretaria da Estadual da Agricultura (Seapa), o estreitamento da parceria que agilize, amplie e consolide a certificação e o monitoramento sanitário das suas propriedades rurais;
  • c) agendar audiência com o Secretário Estadual da Agricultura, Luiz Fernando Mainardi para informá-lo dos trabalhos e obter apoio na busca de compensações pelos investimentos feitos na consolidação do Projeto Piloto Nacional de certificação por área geográfica municipal, com base no Programa Nacional de Controle e Erradicação da Brucelose e Tuberculose animal – PNCEBT, do Mapa;
  • d) agendar audiência com o sub secretário estadual da Agricultura, Cláudio Fioreze, para tratar da adesão dos municípios do G Leite ao Sistema Unificado Estadual de Sanidade Agroindustrial Familiar, Artesanal e de Pequeno Porte – Susaf-RS;
  • e) gestionar, junto às laticínios, remuneração adicional mínima de R$ 0,02/litro do leite saneado; e
  • f) iniciar trabalho que leve a ações uniformes no desenvolvimento da atividade leiteira nos seis municípios, adotando como modelo o Programa de Desenvolvimento da Cadeia Produtiva do Leite do Estado – Prodeleite/RS, em fase de encaminhamento à Assembléia Legislativa, pela Casa Civil.

Entenda o caso

Em outubro de 2009, o produtor André Gerhardt, de Forqueta Arroio do Meio, procurou o promotor de Justiça da Comarca, Paulo Estevam Araújo, para que determinasse o exame dos bovinos dos seus vizinhos quanto à tuberculose e brucelose bovina. A legislação ainda deixa os testes como opcionais para os produtores.

Mesmo não colocando animais de fora na sua propriedade há 10 anos, no último teste feito voluntariamente em seus 30 bovinos leiteiros, 60% haviam dado como infectados por tuberculose bovídea. Além do prejuízo econômico, Gerhardt preocupou-se com sua saúde e da sua família. Sob a liderança do Ministério Público local e da Univates, os seis municípios da Comarca decidiram inovar e investir, com a parceria do Fundesa, Seapa e Mapa, implantado Projeto Piloto Nacional de saneamento bovino por área geográfica municipal.

Implantado em 2001 e atualizado em 2005, até aquele momento o Programa Nacional de Controle e Erradicação da Tuberculose e Brucelose Animal – PNCEBT, do Mapa, que prevê o saneamento individual por propriedade, certificara apenas cento e vinte propriedades no País. Com o Projeto Piloto Nacional da Comarca de Arroio do Meio, hoje já são cerca de duas mil. Adicionalmente, serviu de modelo para o Programa Estadual de Controle e Erradicação da Brucelose e Tuberculose Bovídea do Rio Grande do Sul – Procetube, lançado em dezembro de 2011.

você pode gostar também Mais do autor

Comentários

Carregando...