FIERGS apresenta a ministro pesquisa sobre modernização na legislação trabalhista

Presidente da Federação das Indústrias do Rio Grande do Sul, Heitor José Müller, se reuniu com ministro do Trabalho, Ronaldo Nogueira

Porto Alegre, 13 de fevereiro de 2017 – O presidente da Federação das Indústrias do Rio Grande do Sul (FIERGS), Heitor José Mülller, disse nesta segunda-feira (13) ao ministro do Trabalho, Ronaldo Nogueira, que uma modernização da legislação trabalhista não significa perdas de direitos ao empregado, mas permitirá equilíbrio, segurança e transparência entre as partes envolvidas e maior competitividade das empresas. Müller recebeu Nogueira na sede da FIERGS, em Porto Alegre, e apresentou ao ministro a pesquisa inédita encomendada pela entidade junto ao Instituto Methodus, cujo resultado revela que 65% dos trabalhadores gaúchos aceitariam negociar a carga horária diária entre empregador e empregado, com o objetivo de reduzir os dias trabalhados na semana. Esta é uma das propostas previstas na reforma do governo federal para criar condições de 5 milhões de empregos novos no País.

Além disso, segundo a pesquisa, mais de 20% dos entrevistados são favoráveis à modernização das leis trabalhistas no País, e 55% aceitam alterações, dependendo das condições oferecidas. “A pesquisa da FIERGS referenda o que estamos fazendo há meses pelo Brasil. Nossa proposta foi fruto de longas conversas junto a todas as centrais sindicais e confederações patronais e, com isso, costuramos uma proposta na qual todos os envolvidos foram contemplados. Nossa proposta está pacificada”, afirmou Nogueira.
Segundo o ministro, a proposta se baseia em três eixos: segurança jurídica, consolidação de direitos e oportunidade de ocupação e renda para todos. Nogueira prevê que a modernização trabalhista seja votada pelo Congresso Nacional ainda no primeiro semestre.

A apuração, com mil entrevistas, foi realizada nas regiões Metropolitana de Porto Alegre, Serra gaúcha e Vales do Sinos, Taquari e Paranhana, entre 29 de dezembro e 10 de janeiro. Já a viabilidade de o empregado trabalhar além da jornada diária para acumular horas de folga teve a adesão de 49,5% dos participantes da pesquisa. Outros 43,7% não concordam com a medida e 6,6% a aceitam em parte. Ainda de acordo com o levantamento da FIERGS, 45,7% dos trabalhadores entendem que o desemprego seria diminuído caso os sindicatos e centrais sindicais apoiassem uma modernização das leis trabalhistas. Para 30,3%, o desemprego aumentaria caso isso ocorresse, e 24% não souberam opinar.

A amostragem foi calculada tomando-se como base um nível de confiança de 95% para uma margem de erro máxima estimada em até 3,1 pontos percentuais – para mais ou para menos – sobre os resultados obtidos no total da amostra.

O coordenador do Conselho de Relações do Trabalho e Previdência Social (Contrab) da FIERGS, Paulo Garcia, também participou do encontro, no qual foi relatada a situação das relações do trabalho no Rio Grande do Sul e no Brasil.

Fonte UNICOM - Unidade de Comunicação Sistema FIERGS

você pode gostar também Mais do autor

Comentários

Carregando...