Excesso de oferta provoca queda no preço do aipim

Em Cruzeiro do Sul, maior fornecedor de aipim para a Ceasa de Porto Alegre, os produtores iniciaram a venda da raiz na semana passada. Apesar da qualidade estar boa, o excesso de oferta no mercado faz o preço despencar em relação a mesma época do ano passado. O valor da caixa de 22 quilos está cotado em R$ 18, cerca de R$ 5 menor.

Conforme a engenheira agrônoma Carmem Franzosi, o ideal é colher a partir de março quando a raiz está bem formada. “Mesmo com o preço menor, o peso compensa.”

Outro fator negativo deste ciclo é o ataque da bacteriose, doença que provoca o murchamento das plantas. Na época de plantio e desenvolvimento da planta foi registrada alta umidade e em muitas lavouras as ramas apodreceram. Apesar disso, a Emater estima uma safra com boa produtividade.

A cultura ocupa 800 hectares e envolve 400 famílias. Em um hectare, é possível produzir até 500 caixas do tubérculo, com lucro bruto de R$ 9 mil. O investimento chega a R$ 600 por hectare, considerado baixo, comparado com outras culturas como milho e soja. A produção anual do município chega a 7,5 mil toneladas.

Beneficiamento

No município duas agroindústrias apostam no beneficiamento da raiz. Juntas processam em torno de dois mil quilos por dia e geram 50 empregos diretos. Segundo Carmem, duas famílias de Boa Esperança devem investir em infraestrutura para descascar o aipim e fornecer para a indústria. “É uma forma de valorizar a matéria-prima.” A empresa deve iniciar os trabalhos nos próximos meses.

Peso desagrada

O agricultor Cristiano Pepler, 31, de Boa Esperança, desistiu de arrancar o aipim da variedade branca devido à queda no preço. No ciclo passado ele recebeu R$ 23 pela caixa em fevereiro. Este ano, se fosse vender, receberia R$ 5 a menos por 22 quilos. “A qualidade está boa e mesmo assim o preço despencou”, lamenta.

Nesta safra Pepler cultivou quatro hectares e o rendimento deve chegar a duas mil caixas, apesar das intempéries meteorológicas. Em virtude do peço baixo, nos últimos anos reduziu a área cultivada em 1,5 hectares. Outra dificuldade é a falta de máquinas para auxiliar na colheita.

Para diversificar os lucros na propriedade, ele e pai apostam na produção de leite, que chega a 300 litros por dia.

Fique atento

Para destacar a importância da cultura para a economia do município, entre os dias 10 e 13 de abril, ocorrem a 6ª ExpoCruzeiro e Festa do Aipim no parque poliesportivo, no centro. Haverá exposição de produtos coloniais e pratos típicos preparados com aipim.

você pode gostar também Mais do autor

Comentários

Carregando...