Evento reúne produtores de frutas em Vespasiano Corrêa

A Emater/RS-Ascar, em parceria com a Secretaria de Saúde de Vespasiano Corrêa, realizou na última quinta-feira, dia 13, na Igreja da comunidade de Linha Ernesto Alves, um encontro com o tema Segurança e Soberania Alimentar. Voltado aos fruticultores do município, o evento contou com duas palestras com o objetivo de promover o aproveitamento dos produtos existentes na propriedade. Na parte da tarde houve atividade de campo, com demonstrações de práticas de cultivo, realizadas na propriedade do agricultor Zélio Michelon.

Os enfoques da atividade, de acordo com a engenheira agrônoma da Emater/RS-Ascar, Nádia Pilotto, foram o da produção de frutas para o autoconsumo e a valorização da implantação de um pomar doméstico, que permitam às famílias rurais terem disponibilidade de alimentos saudáveis durante o ano todo. “Hoje, se observa que são muitos produtores deixando de lado o pomar para comprar frutas no mercado. Se produzissem na propriedade, além de saber de onde vem o que estão consumindo, ainda poderiam, eventualmente, comercializar o excedente”, lembra Nádia.

Responsável pela propriedade que recebeu a atividade, Zélio não abre mão do cultivo de um pomar para a alimentação da família. Produtor de leite, suínos, soja e milho para silagem – todos voltados à comercialização – também possui, em sua propriedade, um espaço destinado a frutos como laranja, pêssego, figo, uva, banana, bergamota e melancia. “Todas são produzidas sem a utilização de nenhum tipo de agroquímico”, ressalta. Por meio de parceria com a Embrapa Clima Temperado o agricultor teve acesso a um quintal orgânico, há cerca de dois anos, que fornecerá em breve frutas como araçá, araticum e jabuticaba.

Assim, além de ter frutas praticamente em todas as estações do ano, o agricultor leva o excedente, de forma gratuita, para um asilo em Guaporé. “É algo muito gratificante poder entregar um alimento saudável a alguém que necessite”, analisa. Outro produtor que também mantem um pomar é José Luiz Fachinello. Trabalhando com a esposa, os dois filhos e mais as noras, produz frutas como laranja, figo, bergamota, uva e pêssego. “Todas para o consumo próprio, o que é vantajoso já que, além de não precisar comprar, ainda sabemos de onde vem o que consumimos”, observa.

Bovinocultor de leite – Com 17 vacas em lactação, produzindo cerca de 380 litros de leite por dia, Fachinello valoriza a evolução das técnicas para produção agrícola, que voltaram a motivar o homem do campo para alguns cultivos. “Nos anos 70 e 80, sofríamos muito com as geadas, algo que pode ser melhor controlado hoje em dia”, salienta. Para ele, o próprio produtor evoluiu, com a participação em capacitações, acesso à assistência técnica e mecanização. “Hoje, sabemos que, se um pé de frutas não for bem podado, a produtividade não será a ideal.”

Um dos palestrantes do dia, o supervisor regional da Emater/RS-Ascar, Paulo Rodrigues, lembra que 99% daquilo que se consome, atualmente, envolve produtos processados ou industrializados, “sendo, portanto, fundamental a promoção de debates sobre o tema”. Antes, lembra Rodrigues, a produção de alimentos se consistia em um ato quase sagrado. “Temos de conviver com a dura estatística que afirma que consumimos, em média, 5,2 quilos de agrotóxicos per capita por ano, o que é um número estarrecedor”, analisa. Para o outro painelista, o assistente técnico regional em Fruticultura, Derli Bonine, medidas simples podem representar a mudança de hábitos. “E se ao invés de tomar refrigerantes, aproveitássemos as frutas do pomar para fazer sucos?”, questiona.

você pode gostar também Mais do autor

Comentários

Carregando...