Engenheiro agrônomo da Emater/RS-Ascar recebe Prêmio Campeador

O engenheiro agrônomo da Emater/RS-Ascar Ricardo Martins recebeu, na úlitma semana, o Prêmio Campeador, na categoria Tecnologia, promovido pela RBS TV, com a experiência “A armazenagem sustentável na pequena e média propriedade”. A distinção foi concedida dentro da programação da Expodireto Cotrijal 2014, que se encerrou na sexta-feira, dia 14, em Não-Me-Toque. Ao receber o troféu, Martins lembrou aos presentes que o trabalho relacionado à secagem e a armazenagem, assim como tantos outros, é uma construção coletiva da Instituição. “Esta não é uma conquista de apenas uma pessoa” enfatizou, fazendo menção à obra de Moacyr Scliar “O exército de um homem só”.

Para o agrônomo, a maior satisfação é ver o produtor contente com o trabalho da extensão rural, que, de maneira permanente, busca alternativas que possam melhorar a renda do agricultor familiar. “E quando a qualidade de vida de milhares de famílias de é melhorada com aquilo que fazemos, o que se percebe é que estamos trabalhando também o aspecto social” salienta. Ao investir em um silo de alvenaria para a secagem de grãos, o produtor rural passa a contar com uma opção de baixo custo indicada para pequenas e médias propriedades, com capacidade de armazenamento de até três mil sacas.

Simples e de fácil construção, a estrutura conta com tijolos maciços ou de seis furos, feitas com uma massa polimérica especial, o que torna o silo mais barato e mais fácil de ser manuseado. “Além de possibilitar a construção pela própria família”, explica Martins. O agrônomo ressalta que, por meio do sistema, o grão seca com ar natural, o que permite que o produtor realize o processo na propriedade mesmo, evitando eventuais deslocamentos que representariam mais despesas. “Isto gera menos custos e uma qualidade muito maior na secagem, o que garante maior tempo de conservação”, observa. Martins lembra que a umidade natural do milho gira em torno de 25%, podendo chegar a até 13% pelo processo.

Os resultados quanto à qualidade dos grãos é outro fator animador, de acordo com o agrônomo. Nas criações, observa-se uma melhoria de conversão nos animais na engorda e um melhor desempenho reprodutivo das fêmeas. Para os grãos vendidos às indústrias, no caso do milho, produzem-se farinhas de melhor qualidade, com maior rendimento. Em relação ao arroz, diminui-se o percentual de grãos quebrados. “Com isto, os produtores têm melhorado o desempenho zootécnico de suas criações, ou obtido maior preço aos grãos na venda, com variação em função do tipo de produto em até R$ 5 a mais por saco comercializado” observa Martins.

Produtores interessados em saber mais a respeito dos silos secadores em alvenaria podem procurar os escritórios municipais da Emater/RS-Ascar.

 

você pode gostar também Mais do autor

Comentários

Carregando...