Encontro Empresarial: “Investir em gerenciamento é essencial”

A CIC Teutônia e o Sebrae/RS promoveram, nesta quinta-feira, dia 17,  mais uma edição do Encontro Empresarial. Na oportunidade foi apresentada a trajetória de sucesso da empresa Rota Indústria Gráfica, de Estrela, representada pelo sócio fundador Henrique Purper. O evento realizado no Baviera Park Hotel foi gratuito, com vagas limitadas para 40 pessoas.

A empresa possui 12 anos de atividades e conta com 90 colaboradores. Atua no mercado gaúcho de embalagens na linha de papel cartão, atendendo principalmente clientes da linha industrial. Entre seus clientes estão Tramontina, Florestal, Docile, Vonpar, Miolo, Soprano, Metais Meber, Sanremo, Primafer, Frasle, Controil, Conserv, Madrugada, Irwin, Pirisa, entre outros.

Superação de desafios

Purper falou de sua história de vida e da criação da empresa. “Aprendi a ser gráfico na prática. Fui funcionário em outra empresa do setor, onde tive um grande aprendizado sobre o mercado de embalagens. Em 2001 resolvi sair e em 28 de dezembro daquele ano a nova empresa foi inaugurada.”

Superadas as dificuldades iniciais, o empresário lembrou a afinidade com os clientes. “Tinha o conhecimento prático e de mercado. Além disso, contei com o apoio de clientes que me conheciam da outra empresa. A primeira nota que emiti foi para a Tramontina. Em quatro meses, o faturamento da empresa foi triplicado, com muita dedicação e horas de trabalho, inclusive aos finais de semana.”, recordou Purper.

Investimentos

O empresário fez questão de ressaltar a filosofia de investir em equipamentos, sempre com planejamento. “Tudo deve ser muito bem calculado. Investimentos são necessários, e no ramo gráfico de embalagens esses investimentos são altos. Também investi muito em gerenciamento. A embalagem vai muito além da impressão, é um processo muito complexo. Hoje chegamos a fazer 400 produtos diferentes por mês”, comentou.

Quanto ao mercado, citou que a indústria gaúcha cresce muito pouco, e isso interfere no mercado de embalagens. “É um mercado muito dinâmico. Por isso não podem haver falhas na gestão. Além disso, ainda enfrentamos problemas com a falta de mão de obra. Hoje, todos os profissionais que tenho foram formados em casa, no dia a dia, com cursos constantes de aperfeiçoamento.”

Purper possui 36 anos de experiência no ramo gráfico. Para ele, “ser empresário é construir uma empresa que se rentabilize e tenha sustentabilidade”. Para isso, procura caminhos diferenciados que o mantenham no mercado, principalmente no cumprimento de prazos e qualidade dos materiais. “Empresas antigas, que não se atualizam, acabam saindo do mercado. Permanece no negócio quem for melhor, mais eficiente, tiver gestão e gostar do negócio. O gerenciamento de custo deve ser levado ‘na ponta do lápis’”, concluiu.

você pode gostar também Mais do autor

Comentários

Carregando...