Dália Alimentos apresenta novo conceito em assistência técnica

Foi com a chamada de cada produtor, com anotação de falta e presença, assim como ocorre antes de qualquer aula, que o projeto Escola do Leite realizou seu primeiro encontro. A aula foi ministrada na propriedade de Arlei Parisotto, em Linha Doutor Borges de Medeiros, no interior de Anta Gorda.

O dia de sol colaborou com o ambiente onde a aula foi realizada. A caminhoneta furgão Sprinter, equipada com toldo, cadeiras, equipamento de som, vídeo e material didático, foi montada junto ao gramado da propriedade e recebeu produtores de oito municípios que integram a região de abrangência de Anta Gorda.

O projeto, pioneiro na região, terá dez módulos, um ministrado a cada mês, e promete inovar a assistência técnica fornecida pela cooperativa aos produtores de leite. O coordenador do projeto, zootecnista e supervisor do gado leiteiro, Fernando Araújo, foi quem ministrou o primeiro encontro. Foi enfático em afirmar que a Escola do Leite é um novo conceito em assistência técnica e que os momentos mensais junto aos produtores serão para sanar as dúvidas e aprender, de forma coletiva, ainda mais sobre a atividade leiteira.

Araújo tratou sobre o módulo Gestão e Planejamento da Atividade Leiteira, orientando os participantes sobre o aumento da produtividade e como zelar pelo patrimônio. Disse que a Escola do Leite é uma oportunidade para os produtores adquirirem conhecimento e que a Dália está preocupada em fornecer acesso a essa informação. “O momento para o leite é favorável e a cooperativa investe constantemente nas fábricas de leite em pó, de leite UHT e, principalmente, nos associados que fornecem o produto.”

Enfocou os cuidados com as instalações, o zelo e a organização na propriedade. “Hoje, dispomos de animais altamente produtivos, verdadeiras máquinas de produzir leite. Por isso, é necessário possuirmos instalações organizadas para bem acomodar esses animais.” Disse que a atividade leiteira necessita de gestão e planejamento, pois se trata de um negócio. “Antes falávamos em agricultura familiar, hoje se trata de agronegócio familiar”, ressaltou.

O zootecnista abordou o controle leiteiro, que deve ser feito mensalmente. “Com isso é possível diagnosticar qual animal está produzindo, identificar as vacas destinadas ao descarte, definir o momento correto para secar os animais, conhecer o volume de produção e armazenar dados que valorizem os animais no momento da venda”, aconselhou. Para Araújo, a atividade se modificou com o passar do tempo. “A produção passou de algo artesanal para empresarial.”

Ele também cobrou a participação dos produtores no projeto. “É importante que vocês participem, tirem dúvidas e estejam engajados no projeto, que prevê um avanço na assistência técnica. O investimento neste projeto foi feito para os produtores de leite.”

O gerente da Divisão Produção Agropecuária (DPA), Igor Weingartner, lembrou que, ao final dos dez meses de curso, o produtor que não registrar nenhuma falta receberá um certificado de conclusão de curso. Propôs, também, um desafio aos produtores participantes. “O desafio não está em saber, mas sim em colocar em prática o que estão aprendendo aqui.”

Prefeito tece elogios à Dália

O prefeito de Anta Gorda, Neori Luis Dalla Vecchia, parabenizou a Dália Alimentos e a equipe técnica pela iniciativa e escolha da região de Anta Gorda para sediar a primeira aula da Escola do Leite. “Este projeto é inovador, mais um importante passo que a cooperativa dá rumo à qualificação dos produtores, das propriedades e da atividade.”

O chefe do Executivo falou acerca da seriedade do trabalho desenvolvido no município, a fim de melhorar a produtividade das propriedades, no que se refere ao setor primário e, em especial, ao leite. “Precisamos nos adaptar às melhores técnicas; com isso vamos ter ainda mais rendimento nas propriedades e buscar o máximo de aprendizado para o nosso conhecimento. Estudar, conhecer e buscar o crescimento, sempre.”

Dalla Vecchia aproveitou a ocasião para lembrar da realização da 5ª FestLeite, nos dias 24, 25, 26 e 27 de abril de 2014.

Cenário local

A Dália Alimentos possui 1,8 mil produtores de leite nas oito regiões de abrangência em todo o Estado, estando presente em 113 municípios. A região de Anta Gorda, composta por oito municípios, conta com 302 produtores de leite.

No mês de agosto, a produção na região foi de 2,3 milhões de litros de leite, o equivalente a 14% de todo volume que entrou na cooperativa. Somente em Anta Gorda, a produção do mês foi de 814 mil litros mês agosto.

O produtor Silvado Berté (41) e a esposa Janete (42) fazem parte deste cenário. O casal reside em Linha Giusti e participou da primeira aula. Possi 15 vacas, dez em lactação, com uma produção diária de 200 litros de leite. Também atua com suínos, em um total de duas mil cabeças por lote.

Associado à cooperativa desde 2002, também é Conselheiro de Administração. Para ele, a Escola do Leite surge para otimizar tempo e qualificar a assistência a técnica. “São quatro horas de aula, em uma estrutura ótima, com professores qualificados e colegas que são produtores. Uma troca de informações muito importante.”

você pode gostar também Mais do autor

Comentários

Carregando...