Crise do leite será debatida na Assembleia Legislativa e Câmara dos Deputados

Garantia foi dada na tarde desta segunda-feira (23), durante reunião com lideranças, movimentos sindicais e produtores, na Câmara de Lajeado.

Um novo capítulo da crise do leite no Vale do Taquari foi escrito na tarde desta segunda-feira (23), durante reunião na Câmara de Vereadores de Lajeado convocada pela Comissão de Agricultura, Pecuária, Abastecimento e Desenvolvimento Rural da Câmara Federal e pelo Grupo de Trabalho a Respeito da Importação do Leite em Pó do Uruguai na Assembleia Legislativa do Rio Grande do Sul. Sindicalistas, produtores, prefeitos, vices, vereadores e secretários de agricultura participaram.

O momento foi destinado à unificação dos problemas enfrentados desde 2016 pela categoria. Nos últimos anos, de acordo com levantamentos da Emater/RS-Ascar, cerca de 24 mil agricultores deixaram a produção de leite no estado. Desses, estima-se que 1,2 mil sejam do Vale do Taquari. Esse resultado prejudica não só os trabalhadores, mas a economia, que acaba sendo atingida pela mudança de comportamento desse grupo.

São três eixos que puxam as perdas do setor: importação do leite do Uruguai, queda da produção e diminuição do volume de leite exportado pelo Brasil. Somando-se ao problema, está o endividamento com os bancos, fruto de investimentos nas propriedades. Integrante de um grupo que discute a crise do setor, a presidente do Conselho de Desenvolvimento do Vale do Taquari (Codevat), Cíntia Agostini, fala do contexto regional.

“Somos precursores nesse debate e das preocupações que se espalharam pelo estado e pelo país. Precursores porque temos a terceira maior bacia leiteira do estado e porque um terço de leite produzido nos municípios gaúchos é oriundo da região. Por isso o nosso envolvimento na causa”. O Codevat apresentou um documento com as preocupações. “Não podemos mais dizer o que será feito. Precisamos agir”, diz ela.

Seguindo o posicionamento adotado pelo Codevat, o coordenador regional do Movimento dos Pequenos Agricultores (MPA), Lari Hofstetter, apresentou uma série de sugestões a ser entregue aos governos estadual e federal. Entre elas, estabelecer um preço mínimo do litro do leite e postergar as dívidas com os bancos. Apenas o Banco do Brasil ofereceu parcelamento dos empréstimos aos produtores.

Presente na reunião, o representante do Ministério da Pecuária e Abastecimento (Mapa), Roberto Lucena, falou sobre os programas que estão sendo desenvolvidos nas propriedades do país. A falta de apontamentos voltados à crise do leite provocou questionamentos da plateia, sendo que alguns não puderam ser respondidos.

Os agricultores

Produtor de leite em Estrela, e secretário da Agricultura no município, José Adão Braun definiu a atual situação da classe como uma tragédia. Ele pediu celeridade em ações para combater os problemas do campo. “Nunca vi uma crise tão prolongada e tão grave como essa. O diagnóstico foi feito há dois anos. Todo mundo sabe o que deve ser feito para combatê-la, mas de objetivo muito pouco tem acontecido”.

Também ligado à produção de leite, mas no município de Arroio do Meio, Paulo Grassi convocou uma mobilização da categoria. Para ele, que é vice-presidente do Sindicato dos Trabalhadores Rurais (STR) de Arroio do Meio, a multinacional Lactalis tem efetiva parcela de culpa nas dificuldades dos produtores de leite.

“A crise é uma consequência da vinda da Lactalis. É a culpada disso. O governo do Estado patrocinou a vinda dessa empresa e o federal faz vistas grossas, porque as atenções estão voltadas apenas para a soja”, diz. Grassi é um dos pioneiros desse debate no Vale do Taquari, com propostas para enfrentar as dificuldades e engajamento com diversos municípios. Apesar disso, ele teme que esses movimentos não tenham resultados por conta da falta de apoio político.

Encaminhamentos

O encontro sobre o leite, que propôs diagnóstico e alternativas à crise, foi convocado pelos deputados Elvino Bohn Gass (PT), da Comissão de Agricultura, Pecuária, Abastecimento e Desenvolvimento Rural da Câmara Federal, por meio da Subcomissão do Leite, e Zé Nunes (PT), do Grupo de Trabalho a Respeito da Importação do Leite em Pó do Uruguai, das comissões de Agricultura, Pecuária e Cooperativismo e Economia, Desenvolvimento Sustentável e de Turismo, da Assembleia Legislativa.

Ambos se comprometeram em levar a discussão adiante. Nunes disse que vai pedir o apoio dos deputados gaúchos na assinatura de um documento pedindo uma audiência com o governador José Ivo Sartori. Já Bohn Gass quer reunir as bancadas gaúchas na Câmara e no Senado para discutir o tema.

Esse foi o primeiro encontro da comissão federal no Rio Grande do Sul. O Vale do Taquari foi escolhido por conta da sua dependência econômica da agricultura e, consequentemente, da atividade leiteira. NR

Fonte Grupo Independente

você pode gostar também Mais do autor

Comentários

Carregando...