Consórcio adia duplicação da BR-386 para 2015

A obra de duplicação em sete quilômetros da BR-386, entre Fazenda Vilanova e Estrela, deve ficar pronta apenas no início de 2015. O mau tempo tem dificultado a compactação do solo, impedindo a proposta do consórcio encabeçado pela Conpasul de finalizar os serviços em outubro.

De acordo com o engenheiro Luiz Antônio Soares, os operários trabalham na fase final da terraplenagem do trecho e na construção de uma ponte em Estrela. Próxima à fábrica de rações da Languiru, a estrutura deve ficar pronta nos próximos meses. Contudo, dependerá dos segmentos de pista no entorno para ser liberada. “Alguns pontos estão mais avançados, inclusive com asfalto. Mas a chuva tem dificultado e vai atrasar as obras.”

No começo deste ano, o diretor-presidente da Conpasul, Nilto Scapin, anunciou o primeiro adiamento da entrega dos sete quilômetros: de maio para outubro. O principal motivo foi a constatação de uma jazida de argila no perímetro da nova pista. Com a proximidade do período chuvoso, alegou a necessidade de mais tempo para compactar o solo. Caso contrário, haveria risco de problemas como fissuras, desníveis e rachaduras durante a pavimentação.

Com um orçamento inicial de R$ 150 milhões, o custo da duplicação se aproxima a R$ 200 milhões – aumento decorrente dos empecilhos durante os trabalhos. As obras começaram em novembro de 2010 e deveriam estar concluídas desde o fim de 2013. Principal ligação do Vale com a Região Metropolitana, a rodovia tem um fluxo diário acima de 22 mil veículos.

Vistoria ocorre em duas semanas

Outro percalço está em dois quilômetros às margens da aldeia caingangue, últimos dos 33,8 quilômetros entre Tabaí e Estrela – além dos sete em construção. As obras no perímetro sequer começaram. A Funai condiciona a liberação ao término das 29 moradias da nova aldeia, cujos trabalhos estão avançados.

A construção de mais de 20 casas já iniciou. Muitas já têm inclusive telhado. No total, serão 29 de alvenaria, e a previsão da empresa Iccila, vencedora do processo licitatório, é finalizá-las até dezembro. Também está previsto um centro de reuniões, uma escola com 1,2 mil metros quadrados e uma casa de artesanato. Estes empreendimentos devem iniciar apenas em janeiro de 2015. O investimento chega a R$ 8,5 milhões.

No dia 7 de agosto, a equipe técnica da Fundação realiza a vistoria no local. Para que sejam autorizadas as obras de duplicação no trecho, a empresa responsável e o Dnit precisam comprovar garantias de segurança ao indígenas.

A equipe havia agendado visita para início de junho. No entanto, atraso do Dnit em renovar o contrato de gestão ambiental com a Fapeu fez a Funai desmarcar o encontro. Após isso, a Fundação exigiu uma série de contratos e garantias do Dnit. Até o momento, segundo a chefe do Setor de Licenciamento Ambiental, Júlia Paiva, nada foi cumprido. “Sequer enviaram a cópia do contrato com a Fapeu, conforme solicitado em ofício expedido em junho.”

Viaduto abre em agosto

A elevada de Tabaí – uma das estruturas de maior investimento na duplicação – deve ser entregue dentro de um mês. Iniciada em janeiro do ano passado, a construção está atrasada desde março, quando seis quilômetros duplicados do trecho foram liberados ao tráfego de veículos. Enquanto isso, o trânsito desvia por rua lateral.

Com 50,9 metros de extensão por 11,7 metros de largura, o viaduto custou R$ 4,3 milhões. De acordo com o engenheiro da superintendência regional do Dnit, Hiratan Pinheiro da Silva, resta finalizar as juntas de dilatação da estrutura. Tal etapa deve ser realizada ainda neste mês, para que em seguida possa ser feita a sinalização.

Chefe de operações da PRF, Leandro Wachholz, condiciona a liberação do trecho com a conclusão de outra obra nas proximidades. Aponta a necessidade de finalizar uma terceira pista logo após o posto da polícia rodoviária federal na cidade, criando uma junção entre a BR-386 e a ERS-287. “Está ocorrendo um conflito entre os veículos nesse ponto. A nova faixa tende a resolver esse problema.”

Tal obra está em andamento e deve ser finalizada dentro do prazo previsto. Prefeito de Tabaí, João Brandão, enaltece a importância da liberação para a cidade. Cita que o fluxo da rua 28 de Dezembro, principal ligação do bairro Pedro Rosa (o maior do município) para o centro, está comprometido. “Os moradores estão enfrentando dificuldades de locomoção, além dos riscos de se acidentar.”

Recapeamento liberado

Há uma semana o Dnit liberou as readequações no projeto de recapeamento da BR-386 entre Soledade e Triunfo, trecho de 152 quilômetros. O serviço estava suspenso desde o começo do ano, quando a Conpasul solicitou um asfalto de melhor qualidade. A construtora refaz o acostamento entre Tabaí e Estrela. Em seguida, segue para outros pontos da região, entre eles, Lajeado.

Apenas um pequeno trecho da rodovia federal havia sido recapado antes de os trabalhos serem interrompidos. Desde então, a construtora mantinha apenas operação tapa-buracos e de roçadas. O investimento chega a R$ 31 milhões. A reforma estava prevista para começar nas primeiras semanas de 2014, mas trâmites burocráticos retardam o início dos trabalhos.

você pode gostar também Mais do autor

Comentários

Carregando...