Comitiva pede apoio à CDL Lajeado para obra do presídio feminino

A melhoria da segurança pública foi o tema da reunião de diretoria mensal da Câmara de Dirigentes Lojistas (CDL) Lajeado. Realizado na última terça-feira, dia 14, o encontro contou com a participação de autoridades mobilizadas com a obra do presídio feminino de Lajeado e do novo albergue masculino. Participaram o juiz Luís Antônio de Abreu Johnson, o promotor Ederson Luciano Maia Vieira, o presidente da Associação Lajeadense Pró-Segurança Pública (Alsepro), Dani José Petry, e o empresário Léo Katz. O grupo pede o apoio financeiro da CDL Lajeado. Parte do valor já foi arrecadado, mas ainda são necessárias doações para reunir os cerca de R$ 800 mil orçados para concluir as duas estruturas.

A construção está em andamento junto ao Presídio Estadual de Lajeado. Seu maior diferencial, e que coloca a comunidade de Lajeado em destaque no cenário nacional, é que tudo está sendo feito com recursos da população. “Cansamos de esperar o Governo do Estado. Estamos buscando todos os apoios possíveis para alcançar o nosso objetivo”, afirmou o coordenador das obras, Léo Katz. A previsão é de que o albergue, com mais 120 vagas, fique pronto até o fim de agosto, e o presídio feminino, até o final do ano.

A estrutura penitenciária para as mulheres terá 866 metros quadrados e 72 vagas. O juiz Luís Antônio de Abreu Johnson apresentou uma retrospectiva e a situação atual. A ideia do projeto surgiu porque não há casa prisional para colocar as detentas. Assim, sempre que é necessário buscar uma vaga para uma presa da comarca de Lajeado em outro presídio, Lajeado precisa receber, em troca, detento de fora. “Com o presídio para mulheres teremos como prendê-las aqui e não ampliar o número de presidiários de outras regiões”.

O Presídio de Lajeado está hoje com 330 presos no regime fechado, para uma capacidade de 126 vagas. Outros 182 estão no regime semiaberto.

você pode gostar também Mais do autor

Comentários

Carregando...