Codevat elabora prioridades para o Vale

As demandas da região, listadas em um documento, serão entregues aos candidatos na eleição de outubro. As prioridades foram debatidas nesta terça-feira, dia 25, em assembleia do Conselho de Desenvolvimento do Vale do Taquari (Codevat).

Prefeitos do Vale, integrantes de entidades de classe e conselheiros formularam dez áreas prioritárias. O material, diz a presidente do Codevat Cíntia Agostini, demonstra a visão estratégica da região a médio e longo prazo.

“Na última eleição para deputado estadual, 232 candidatos fizeram votos no Vale. Queremos mostrar nossas necessidades e fazer com que eles se comprometam conosco”, frisa. Sobre os dez itens elencados durante a reunião, eles terão de esmiuçar os temas, contextualizando os pedidos.

Para Cíntia, isso dará subsídios aos futuros candidatos. “Vamos dizer para eles o que devem defender em termos de interesse do Vale do Taquari.”

Entre os pedidos, destaca-se a preocupação em aumentar o efetivo das polícias. A delegada regional da Polícia Civil, Elisabete Müller, não expôs o número de servidores disponíveis na região, mas mostrou preocupação com o fato de 20% dos agentes estarem em processo de aposentadoria. Eles podem deixar as delegacias até o fim do ano. “Temos menos gente trabalhando hoje do que havia na década de 80”, adverte.

Frente aos assassinatos registrados na região, a delegada considera essencial a instalação do Instituto Geral de Perícias (IGP) na região. Outros pontos importantes, na visão de Elisabete, é aumentar as vagas no sistema prisional.

No encontro, também foi definido o conselho de representantes da entidade.

Composto por diversas organizações, os nomes integram sugestões apresentadas por entidades de classe, sindicatos, câmaras de vereadores, Executivos municipais e sociedade civil organizada.

Preocupação com as enchentes

Grande parte das cidades do Vale enfrentam problemas. De Muçum até Taquari há registros de cheias, causando prejuízos às pessoas e governos. O secretário de Planejamento de Estrela, Marco Wermann, comentou a situação. Para ele, é preciso desenvolver projetos de habitação popular e melhoria da drenagem urbana.

O prefeito de Lajeado, Luís Fernando Schmidt, lembrou o projeto da Defesa Civil, que visa antecipar os períodos de alerta das cheias. Segundo ele, é preciso atender as demandas nos pontos mais carentes da região.

Quais são as prioridades:

1. Segurança pública:
Aumentar o efetivo da Brigada Militar e Polícia Civil;

2. Infraestrutura:
Duplicações das ERS-129, 130 e da BR-386, de Lajeado a Iraí;
Adequar o aeródromo de Estrela;

3. Saneamento básico:
Investir na construção de mais Estações de Tratamento de Esgoto;

4. Educação:
Ampliar a atuação de escolas em tempo integral;

5. Saúde:
Cadastrar hospitais de referência em traumatologia;

6. Energia elétrica:
Qualificar e aumentar a capacidade de abastecimento;

7.Enchentes:
Criar um sistema de alertas de cheias;

8. Agricultura:
Reaproveitar os dejetos das produções de suínos e pecuária;

9. Turismo:
Acessos asfálticos às cidades

10. Drogadição:
Implantação de um programa de combate à dependência química

você pode gostar também Mais do autor

Comentários

Carregando...