Cisternas amenizam problemas com seca

A construção de 21 cisternas deve amenizar o risco de interromper a produção de aves, suínos e gado leiteiro no verão. Os recursos são oriundos da Participação Popular e Cidadão (PPC) e do Programa Irrigando a Agricultura Familiar.

O investimento será de R$ 229 mil, tendo contrapartida de R$ 30,7 mil do Executivo. Com isso, os produtores beneficiados pagam apenas 20% do valor e o restante é repassado pelo governo a fundo perdido. O município fornece todo serviço de máquina para escavar o local e orientação técnica para elaborar o projeto.

Conforme o prefeito Ricardo Rockenbach, armazenar a água da chuva é um opção barata e segura para enfrentar períodos de escassez. “Reduzimos custos, garantimos o abastecimentos e evitamos o uso da água de poços artesianos.”

Esta semana foi assinado o contrato com a empresa responsável em fazer a instalação e cobertura das estruturas. Outros quatro projetos devem ser liberados em breve. De acordo com o engenheiro agrícola André Rosembach, as cisternas são uma forma de o produtor aproveitar a água da chuva. “Antes tudo era desperdiçado.”

O município tem 82 chiqueiros. São 25 crecheiros (40,6 mil por lote), 30 na terminação (16,4 mil por lote) e quatro matrizeiros (2,4 mil por lote). Existem 46 aviários. Vinte e oito avicultores de corte (723,9 mil animais alojados por lote) e três de postura (85 mil por lote). São 380 produtores de leite, cuja produção anual é de 9,2 milhões de litros com um rebanho de 2.371 vacas.

O setor primário corresponde a 63% da arrecadação. Para tanto o município investe 16% na Agricultura e outros 17% na Secretaria de Obras.

Produtores comemoram

O suinocultor Samuel Fucks, de Linha São João Alto, começou as obras esta semana. O reservatório terá capacidade para armazenar 180 mil litros de água, o suficiente para tratar um lote de 1,6 suínos.

A família dependia de vertentes para abastecer o chiqueiro. O gasto diário chega a dez mil litros no verão. “É um investimento barato, seguro e evita a interrupção da atividade em caso de estiagem.”

No último verão, o produtor de suínos Jonas Morari, de São Miguel, era obrigado a utilizar água do arroio para tratar as 370 matrizes. Eram duas viagens por dia com o trator. Na comunidade não há rede de água e muitas fontes secaram.

A cisterna concluída há dois meses ameniza o problema. Morari elogia a busca de recursos para armazenagem de água, elemento fundamental para manter e até ampliar a produtividade.

você pode gostar também Mais do autor

Comentários

Carregando...