CIC-VT apoia amplo debate do projeto de regulamentação da terceirização

O empresário Ito José Lanius, presidente da Câmara de Indústria, Comércio e Serviços do Vale do Taquari (CIC-VT), orienta que todas as entidades empresariais da região desenvolvam ações locais para promover o debate sobre o projeto de terceirização que vai à votação no Congresso. Dessa forma, vai ser possível encontrar um equilíbrio e acabar com os mitos que envolvem a terceirização. Para os empresários, o projeto tem pontos favoráveis porque aumenta a produtividade nas empresas e a qualidade dos serviços. Para o trabalhador, assegura os direitos trabalhistas e os benefícios.

O assunto foi abordado na última sexta-feira, dia 5 durante a reunião geral da CIC-VT. O encontro foi realizado no Parque João Batista Marchese, em Encantado e contou com a presença de representantes de associações comerciais e câmaras de dirigentes lojistas de toda região, do Observatório Social Lajeado, além do diretor regional da Federasul para o Vale dos Sinos, Ângelo César Fontana, e da gerente Regional Vales do Taquari e do Rio Pardo do SEBRAE, Liane Klein.

Atualmente, a terceirização é proibida nas atividades principais, só vale para os serviços que não tem relação direta com o objetivo principal da empresa. Desde 2004, tramita no Tribunal Superior do Trabalho o projeto que regulamenta definitivamente o setor.

Pelo levantamento da CUT, o Brasil tem quase 13 milhões de trabalhadores terceirizados para 35 milhões de trabalhadores contratados. O projeto que deve ser votado no Senado, regulamenta a contratação de terceiros em todas as atividades, sem restrições. A empresa terceirizada só pode oferecer um único serviço. Já a empresa contratante terá obrigação de fiscalizar o pagamento dos direitos trabalhistas para os funcionários.

Outro assunto debatido na reunião da CIC-VT foi o aumento da velocidade nas rodovias federais. A maioria dos presentes ressaltou que o Departamento Nacional de Infraestrutura e Transporte (DNIT) precisa agilizar a liberação na BR-386, prevista para o ano que vem. Hoje só é permitido andar até 80 km por hora, velocidade que, segundo as lideranças empresariais, não é compatível com o trecho duplicado. A ideia é elaborar um documento em conjunto com a Associação Comercial e Industrial de Lajeado (Acil) para ser encaminhado aos órgãos competentes.
Ao final da reunião, as lideranças participaram da cerimônia de abertura da 14ª Suinofest, visitando os estandes a seguir.

você pode gostar também Mais do autor

Comentários

Carregando...