Case do Espírito Santo fecha programação técnica da 16ª Jornada do Sorvete

A 16ª Jornada do Sorvete terminou na sexta-feira, dia 24. O segundo dia de programação foi marcado por mais duas palestras, as quais deram enfoque à gestão ambiental das indústrias de sorvete e às estratégias que levaram ao sucesso das empresas Açaí mais Sabor e Las Paletitas, do Espírito Santo. O evento realizado no Weiand Hotel, em Lajeado, reuniu em torno de 200 pessoas, entre sorveteiros e fornecedores. Promovida pela Associação Gaúcha das Indústrias de Gelados Comestíveis (Agagel), o evento cumpriu com seus propósitos de atualizar, promover a integração e os negócios do setor. “Há muitos pequenos e médios fabricantes em nosso meio. Eventos como a Jornada oportunizam que todos estes estejam bem informados e preparados para as novidades do mercado”, afirma o presidente, Daniel Greve.

Situadas em Piúma, no Espírito Santo, as empresas de Wanderson Lamoia Nogueira são uma referência de negócio bem sucedido no setor. Os produtos das marcas Açaí mais Sabor e Las Paletitas são produzidas num parque fabril com mais de seis mil metros quadrados. As empresas têm apenas cinco anos de mercado e comercializam a produção não só nos estados nordestinos, como no Rio de Janeiro e Minas Gerais. O bom desempenho é atrelado, principalmente, ao açaí. A fruta é a referência do negócio de Nogueira. “O açaí é o que nos mantém e fortalece. O consumo de sorvete vai na carona. Vocês aqui tem um baita mercado para explorar”, disse, revelando ter se impressionado com a baixa oferta no Sul.

Os consumidores podem comprar desde o creme de açaí tradicional até ele mesclado com opções como banana, chocolate e leite condensado. De acordo com o empresário, o açaí também é responsável pelo equilíbrio financeiro do negócio. “No inverno, o consumo do sorvete cai 70%, enquanto do açaí muito menos. Os esportistas já eram grandes aliados do açaí. Fizemos campanhas para promovê-lo entre crianças e a terceira idade e deu muito certo”. As paletas mexicanas são uma inovação deste ano. O picolé com recheio veio para se somar ao mix e ser uma opção para enfrentar os meses frios. “Primamos pela qualidade das matérias-primas e apostamos num produto saboroso. Deu certo, nos deu um bom fôlego nas lojas”.

Engenheira química do Senai RS, Luciana Costa Teixeira buscou conscientizar os empresários sobre as vantagens da Produção mais Limpa e tratamento de efluentes. Na prática, Produção mais Limpa significa redução de matérias-primas, de efluentes e o reaproveitamento de materiais. Luciana observou a importância da empresa conhecer o processo de produção, identificar e quantificar a geração do efluente em cada etapa de fabricação do sorvete. “Com controle, podemos ter maior eficiência no uso das matérias-primas, água e energia, focando a não geração, minimização ou reciclagem de resíduos gerados, apoiando a sustentabilidade do negócio”. Focada em sensibilizar a plateia para a ação, a engenheira frisou que resíduo representa dinheiro posto fora. “A ordem é buscar não ter resíduos, ou então diminuir ao máximo. Isto é oportunidade, não gasto”.

Negócios

A etapa negocial finalizou na sexta-feira à tarde com a participação de 29 empresas do Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Paraná, São Paulo e Pernambuco. Estreante, a Sierra Sul, de Nova Bréscia (RS) comemorou a participação. “O evento facilita a explicação e demonstração do nosso produto”, avaliou William Spessatto. Especializada em processamento de frutas, a empresa fez inúmeros contatos e encaminhou contratos de vendas de polpas de frutas com indústrias sorveteiras do Estado.

Assembleia

Por reunir grande número de associados, a assembleia também faz parte da programação. Realizada na sexta-feira de manhã, teve o balanço financeiro de 2014 da entidade aprovado. A atividade teve à frente o presidente Daniel Greve, vice Vanderlei Bonfante e vice-presidente financeiro Márcio Oliveira.

você pode gostar também Mais do autor

Comentários

Carregando...