Atividade industrial do RS mostra estabilidade

IDI-RS cresce 2,4% em maio e volta ao nível de dezembro de 2016, aponta a FIERGS

Porto Alegre, 4 de julho de 2017 – Embora o Índice de Desempenho Industrial (IDI-RS) tenha crescido 2,4% em maio, na comparação dessazonalizada em relação ao mês anterior, o resultado não representa a esperada reação do setor. A alta foi influenciada pela fraca base de comparação, pois a atividade encolheu em março e abril, e, também, pelo efeito calendário: maio teve quatro dias úteis a mais. Mas o resultado, ao menos, recupera o nível de dezembro de 2016. “Os indicadores continuam apontando para uma atividade estabilizada, apesar do nível deprimido e da volatilidade”, afirma o presidente da Federação das Indústrias do Rio Grande do Sul (FIERGS), Heitor José Müller.
Entre os componentes do IDI-RS, divulgado pela FIERGS nesta terça-feira (4), o faturamento real foi o indicador que exerceu a maior influência positiva em maio, ao aumentar 10,8%. As horas trabalhadas na produção e as compras industriais avançaram 3,4% e 1,6%, respectivamente. Outro item a indicar uma retomada no ritmo da atividade foi a Utilização da Capacidade Instalada (UCI), que alcançou 79,8%, uma elevação de 1,5 p.p em relação a abril. Apenas o mercado de trabalho voltou a se deteriorar, ao registrar perdas de 0,3% no emprego e 0,4% na massa salarial real.
Este comportamento de estabilidade na atividade industrial no Estado decorre, segundo o presidente da FIERGS, da demanda doméstica enfraquecida pelo desemprego elevado, da renda em declínio, do acesso restrito ao crédito, da incerteza e ociosidade na economia. “Por outro lado, há sinais que mostram uma mudança gradativa do quadro, como as reduções dos juros e da inflação, a excelente safra agrícola, a geração de emprego com carteira assinada e as exportações de manufaturados”, diz Müller.
Em relação a maio de 2016, o IDI-RS subiu 2,1%. Foi a primeira alta desde março de 2014, após 37 meses em retração e um em estabilidade (em dezembro de 2016, com 0,1%) nessa base.

ACUMULADO – Nos primeiros cinco meses de 2017, o IDI/RS acumula queda de 1,5% na comparação com mesmo período de 2016. Compras industriais (-3,3%) e horas trabalhadas na produção (-2,9%) apresentaram as quedas mais expressivas. O faturamento caiu 0,9%, enquanto a UCI (0,2%) ficou praticamente estável em 78,8% na média do ano. No mercado de trabalho, mais vagas foram fechadas e o emprego acompanhou o baixo dinamismo do setor, finalizando o período com redução de 1,9%. Quem manteve o emprego, porém, obteve ganhos, porque a massa salarial real (descontada a inflação) cresceu 0,7%.
Ao considerar o acumulado do ano, entre os nove setores que caíram, tiveram maior peso negativo no nível de atividade do RS Veículos automotores
(-6,8%), Alimentos (-3,9%) e Móveis (-3,7%). Já entre os sete que cresceram, Máquinas e equipamentos (2,5%), Produtos de metal (3,5%) e Metalurgia (3%) deram as maiores contribuições.

Fonte Unicom

você pode gostar também Mais do autor

Comentários

Carregando...