Associativismo: Acil lança Programa de Nucleação do Empreender

Mulheres empreendedoras nos segmentos de moda e acessórios e empresários dos ramos de pet shops e veterinárias; hotelaria; e de design de interiores participaram na noite desta segunda-feira, dia 11, do lançamento do Programa de Nucleação do Empreender, que aconteceu na Associação Comercial e Industrial de Lajeado (Acil).

O presidente da Acil, Miguel Arenhart, em seu discurso de boas-vindas cumprimentou a todos os presentes, comentou o histórico do programa iniciado em 2014 e agora retomado com a chancela da Confederação das Associações Comerciais do Brasil (CACB), o apoio do Serviço Brasileiro de apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae) e a coordenação estadual da Associação das Empresas de Pequeno Porte da Região Norte do Rio Grande do Sul (Microempa). “Esse programa é olhado por nós com muito carinho pelos seus objetivos, que são promover a integração e troca de experiências entre os empresários participantes, e aprimorar a gestão e, consequentemente, a competitividade de nossas empresas. Também teremos, certamente, a descoberta de novas lideranças para se engajarem conosco na mobilização e articulação de nossa entidade, do movimento empresarial como um todo, no alcance das grandes metas que visam ao desenvolvimento econômico e social de nosso município e região”, enfatizou.

Associativismo

O palestrante do evento, coordenador de Projetos da Federação das Associações Empresariais de Santa Catarina (Facisc), Osmar Vicentin, falou para mais de 50 empresários sobre a importância do associativismo, da essência da nucleação e explicou como se desenvolve a proposta inovadora.

Vicentin iniciou a palestra explicando que para falar de associativismo é necessário falar sobre sociedade. “A maior parte das nossas interações são em pequenos grupos que são nossa família, clube, trabalho, condomínio, entre outros. Uma sociedade é uma rede de relacionamento entre pessoas. O grande diferencial de uma sociedade que evolui é o quanto nós trocamos esse processo, é a rede de relacionamento que faz a diferença e ela funciona o tempo todo. Trazendo para o lado profissional, quanto mais termos condições de fazer essa rede funcionar, mais êxitos nós teremos.”

O palestrante também apresentou três fatores fundamentais que valem para tudo que fazemos em grupo. “Não há desenvolvimento de uma sociedade sem que o processo do ‘associativismo’ esteja presente. O associativismo é o ato de agregar, juntar e unir forçar para um fim comum. Ele tem a confiança como palavra-chave. Nós não nos juntamos, unimos ou cooperamos em quem não confiamos. Assim, a confiança é a mola propulsora dos negócios,” acentuou.

O segundo aspecto fundamental é criar uma “cultura associativista”, ou seja, a iniciativa que reúne um grupo com o objetivo de superar dificuldades e gerar benefícios. “No trabalho dos núcleos, por exemplo, depois que juntamos as partes, vemos quais são as dificuldades e oportunidades. Este fator também tem uma palavra-chave, a participação. Para termos uma sociedade que avança, ela precisa de participação; temos que trazer os problemas, mas também as soluções,” explicou Vincentin.

O “capital inicial”, o terceiro fator, é a capacidade das pessoas trabalharem em cooperação visando a objetivos comuns. “Todos nós queremos chegar nesta parte, que é obter resultados, mas não são todos que querem confiar e participar. Tenho que confiar, participar e assim chegar aos resultados”, concluiu.

As empresas que constituirão os núcleos terão acesso a conhecimento e trocas de experiências que as levarão a conquistar diferenciais de gestão e atuação no mercado cada vez mais competitivo.

Metodologia

Os quatro núcleos serão moderados e acompanhados pela consultora Vera Azevedo, profissional especializada em consultoria grupal, que utilizará metodologias específicas para condução das reuniões e desenvolvimento das atividades.

Os empresários terão a oportunidade de discutir os seus problemas comuns e juntos buscarem soluções. “Sou extremamente apaixonada por esta metodologia, pois ela dá a oportunidade do empresário se reunir com pares e juntos trabalharem as suas demandas e necessidades”, salienta Vera.

A partir da primeira reunião, os participantes definiram o dia da semana e horário mais adequado para os futuros encontros. Nas primeiras reuniões, as demandas serão conhecidas e elaborado o planejamento estratégico para encontrar as soluções.

O presidente da Associação das Empresas de Pequeno Porte da Região Norte do Rio Grande do Sul (Microempa), Jovenil Vitt Lima, ressaltou a importância dos núcleos setoriais. “Nós acreditamos na grandiosidade deste projeto. Gostaria muito que, em breve, não hajam só os quatro grupos setoriais que estão sendo criados agora, mas que outros sejam implementados. Espero poder contar com vocês para isto; para ter continuidade é necessário luta, perseverança e a busca continua de informações”, frisou.

Realização

O programa de núcleos empresariais é realização da Acil, com o apoio de Microempa, Sebrae e CACB, através do Empreender.

você pode gostar também Mais do autor

Comentários

Carregando...