Aprendiz Cooperativo oportuniza primeira experiência profissional

Oportunizar a primeira experiência profissional e também o contato de jovens com o cooperativismo. Este é o principal objetivo do programa Aprendiz Cooperativo, que vem sendo desenvolvido em cooperativas como Certel e Certel Energia. A iniciativa beneficia jovens com idades entre 14 e 24 anos, e é realizado em parceria com a seccional gaúcha do Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo (Sescoop-RS), Colégio Teutônia, Cooperativa Educacional de Ensino Básico (Coopeb), Cooperativa de Serviços Técnicos e Extensão Rural (Coopater), Cooperativa de Trabalhos Técnicos e Serviços Especializados (Cootrael), Cooperativa dos Profissionais em Educação do Estado do Rio Grande do Sul (Coeducars), Serviço Nacional do Comércio (Senac) e Centro de Integração Empresa Escola (CIEE).

O programa tem por objetivo preparar os jovens para o mercado de trabalho, garantindo a sua formação técnico-profissional, compatível com o seu desenvolvimento físico, moral e psicológico. Desta forma, o Sescoop/RS e as cooperativas cumprem um de seus principais objetivos que é a formação profissional de empregados e sócios de cooperativas, além de contribuir para o desenvolvimento social das comunidades.

Uma nova turma de aprendizes cooperativos finalizou recentemente suas atividades práticas na Certel e na Certel Energia. Eles tiveram um diálogo e foram cumprimentados pela direção das cooperativas, que salientou o grande significado da experiência possibilitada aos jovens.

Avaliação

Para Alex de Souza, 16 anos, que trabalhou no Centro de Distribuição das Lojas Certel, foi uma experiência muito boa, pois aprendeu mais sobre o cooperativismo e como ser responsável. “Foi um convívio legal, pois aprendemos com pessoas de diferentes faixas etárias. Vejo que a Certel é uma empresa mais responsável e maior do que eu imaginava”, afirmou.

Artur Siqueira, 15 anos, que atuou no Departamento de Qualidade e Inovação, diz ter gostado muito, pois foi o início de uma nova fase em sua vida. “É uma boa iniciativa, muito útil aos adolescentes que querem ter o primeiro emprego, e isso contará para validar o início de nosso currículo profissional. Além de ser o primeiro emprego, conheci muita gente legal aqui dentro”, frisou.

Segundo Jaine Oliveira da Rosa, 15 anos, que trabalhou na Loja Certel de Canabarro, Teutônia, a experiência foi fundamental. “Quando começamos na prática achei que não iria gostar. Agora, estou com uma dor no coração por ter de sair. Aprendemos a ser mais responsáveis em tudo. Chamou atenção a vontade de trabalhar dos outros e o gosto pela atividade. Torço para que, um dia, me chamem para trabalhar como contratada na Certel. Um bom profissional deve ser responsável, educado, fazer o melhor que pode e não desistir”, assinala.

Para Stefani Maiara Jepiaki da Silva, 15 anos, que desempenhou atividades no Departamento de Recursos Humanos, o programa foi muito positivo. “Parece que é difícil aceitar que já chegou ao fim. Estou feliz, mas também triste. Agora é uma nova página que se inicia. Formei uma base bem boa, e se me esforçar, sei que consigo chegar onde quero. Fiquei muito feliz por poder integrar esta grande família”, enalteceu.

Natália Taís Knecht, 16 anos, que atuou na Auditoria, no Serviço Especializado em Engenharia de Segurança e em Medicina do Trabalho (Sesmt) e na Contabilidade, foi a única contratada imediata do grupo, e está trabalhando no setor de malotes. “Conheci muita gente e setores diferentes. Fiquei feliz quando me disseram que seria contratada, pois somos todos muito novos e o mercado é meio difícil para quem não tem experiência. É preciso dar o máximo de si, para que quem estiver observando veja o quanto você está merecendo ficar”, enfatizou.

você pode gostar também Mais do autor

Comentários

Carregando...