Agroindústria de Marques de Souza conquista Certificação Federal para vender em todo País

Desde o mês de outubro do ano passado a agroindústria de processamento de ovos de codorna Conservas Diná, da localidade de Linha Bastos, em Marques de Souza, está autorizada a comercializar os seus produtos em todo o território brasileiro. O certificado foi obtido por meio do escritório de Lajeado do Serviço de Inspeção Federal (SIF) – ligado ao Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento (Mapa). Todo o processo foi acompanhado pela Emater/RS-Ascar, que apoia o empreendimento desde antes de sua legalização nas áreas sanitária, tributária e ambiental, o que ocorreu há três anos.

Feliz com a conquista, um dos responsáveis pelo empreendimento, o jovem Diego Vetorello, projeta um crescimento de cerca de 30% nas vendas entre este e o próximo ano, com a possível ampliação de mercado, inclusive o externo. Atualmente são comercializados por mês quatro mil vidros de 300g (drenado) da conserva ao valor de R$ 5,50, além de 400 baldes de 2,1kg, que são destinados a atender a demanda de restaurantes e outros estabelecimentos que trabalhem com públicos maiores. “Hoje, fornecemos para mercados de diversos municípios do Vale do Taquari e de fora dele também”, explica.

A ideia de abrir uma agroindústria para a produção de ovos de codorna, de acordo com Vetorello, é fruto de uma percepção bastante pessoal, da época em que trabalhava para uma empresa que comercializa peças e serviços para caminhões, há mais de seis anos. “Viajávamos muito para fazer as praças e sempre perguntava, em cada restaurante, sobre ovos de codorna”, relata. Isso fez com que o jovem percebesse o fato de haver uma forte demanda pelo produto. “E como sempre sonhei em ter algum negócio que fosse meu, vi ali a oportunidade que precisava para mudar a minha vida”, conta.

O começo não foi fácil. “A comercialização de cerca de 500 vidros do produto por mês, de maneira informal, para amigos, vizinhos e parentes, foi um processo trabalhoso e exaustivo e que exigiu muita persistência”, explica. Hoje orgulhoso de seu empreendimento – que mantém ao lado da esposa, do pai e de mais três funcionários – Vetorello lembra que a família praticamente “aprendeu fazendo”, num processo que envolveu muito estudo, cursos e paciência. “Hoje podemos dizer, de cabeça erguida, que o nosso produto tem muita qualidade”, enfatiza. “Até quem não come ovo de codorna passa a gostar”, sorri.

À Emater/RS-Ascar coube o apoio em todas as etapas da consolidação do empreendimento, passando pelo suporte em projetos de crédito via Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (Pronaf), até chegar a documentação necessária para a legalização definitiva. Além dos investimentos com recursos próprios para construção do prédio e compra de equipamentos, Vetorello também teve acesso a R$ 10 mil – com bônus adimplência de 80% – via Fundo Estadual de Apoio ao Desenvolvimento dos Pequenos Estabelecimentos Rurais (Feaper), resultado da conquista de recursos via Participação Popular e Cidadã. (PPC).

Para o engenheiro agrônomo da Emater/RS-Ascar de Marques de Souza, Diego de Oliveira, o município começa a construir uma espécie de tradição no que diz respeito ao processo de agroindustrialização. “Atualmente são sete legalizadas e mais duas atuando na informalidade, que poderão dar esse passo em seguida”, salienta. Especialmente após a aprovação, pela Câmara de Vereadores, do Sistema Unificado Estadual de Sanidade Agroindustrial Familiar, Artesanal e de Pequeno Porte (Susaf/RS). Para o técnico em Zootecnia Diovane Cardoso o trabalho com estes empreendimentos impacta de maneira satisfatória nas mais variadas frentes. “Não estamos falando apenas de renda e de qualidade de vida para as famílias, mas também de uma oportunidade para que haja continuidade do trabalho no campo”, salienta.

Atualmente, nos 55 municípios dos vales do Caí e Taquari que compõem o escritório regional da Emater/RS-Ascar de Lajeado, são 117 agroindústrias legalizadas. “Hoje, ainda que tenhamos muito o crescer e qualificar, estamos ao lado da região de Caxias do Sul, no que diz respeito à consolidação deste tipo de empreendimento”, observa o assistente técnico regional em Organização Econômica da Emater/RS-Ascar, Alano Tonin. “E a manutenção do Programa de Agroindústria Familiar do Governo do Estado, poderá fazer com que esse número cresça ainda mais nos próximos anos”, finaliza.

você pode gostar também Mais do autor

Comentários

Carregando...