Café da Manhã Empresarial- Badesul apresenta linhas de crédito em evento da CIC Teutônia

No dia 22 de março a CIC Teutônia promoveu Café da Manhã Empresarial com o tema “Desenvolve Teutônia – soluções de crédito”, oportunidade em que o assistente especial na Superintendência Comercial do Badesul, Diego Dias de Castro, apresentou os diferenciais do Badesul e linhas de investimento para diversos setores da economia. O evento foi uma iniciativa da Diretoria da Indústria da CIC.

O palestrante realizou apresentação institucional e histórica, detalhou a política operacional, o fluxo de projeto e linhas de crédito. “Somos uma agência de fomento vinculada à Secretaria de Desenvolvimento Econômico e Turismo, com expertise de mais de 40 anos no mercado financeiro, promovendo o desenvolvimento do Rio Grande do Sul”, frisou.

O agente financeiro oferece consultorias e um conjunto de soluções financeiras de longo prazo para projetos de investimento do setor público, de empresas privadas e de produtores rurais, objetivando estimular o desenvolvimento da economia gaúcha e a consequente melhora da qualidade de vida da população rio-grandense.

Castro enumerou algumas das diferenças do Badesul para os bancos comerciais. “Não será aberta nenhuma conta no Badesul, mas um cadastro para trabalhar com consultoria. Também não exigimos reciprocidade, o que bancos comerciais costumam fazer. Nossos projetos caracterizam-se pelo longo prazo, até para dar um fôlego aos empresários”, exemplificou.

O banco conta apenas com uma estrutura em Porto Alegre, sem agências. “Temos uma estrutura enxuta, com cerca de 150 funcionários, a maioria concursados. Essa falta de capilaridade pode ser um ponto fraco, mas, em compensação, a tomada de decisões é muito próxima, com ganho de agilidade”, diferenciou Castro.

A distribuição da carteira do Badesul, cujo saldo de operações até junho de 2018 somava R$ 2,9 bilhões, é bastante pulverizada. Cerca de 75% está concentrada em micro, pequenas e médias empresa. O agronegócio representa, em volume de contratos, aproximadamente 66%, cujo volume de negócios soma em torno de 40%. “É para isso que serve uma agência de fomento: não visa lucro, mas sim o desenvolvimento do Estado. De 2013 a 2018 foram investidos mais de R$ 400 milhões, beneficiando 255 municípios”, enumerou, citando os setores que não recebem apoio do Badesul: comércio de armas, atividades bancárias/financeiras; motéis, saunas e termas; jogos de prognósticos e assemelhados. “Entre os empreendimentos não-apoiáveis ainda estão o ramo imobiliário, mineração, ações e projetos sociais já contemplados com incentivos fiscais. Pela estrutura enxuta, ainda não trabalhamos com microcrédito, e hoje o foco está em financiamentos acima de R$ 150 mil”, acrescentou.

Ao final da palestra, empresários puderam agendar atendimento individualizado para análise de suas demandas. “Cada projeto é único, e o Badesul apoia muitos segmentos. Teutônia merece os parabéns pela sua cultura empreendedora. Até por isso iniciamos o ciclo de encontros pelo Estado por aqui, uma iniciativa que resulta da parceria do Badesul com a Federasul e as associações comerciais”, finalizou.

Fonte Leandro Augusto Hamester

você pode gostar também Mais do autor

Comentários

Carregando...