Acsurs e Minitube renovam parceria

A Associação de Criadores de Suínos do Rio Grande do Sul (Acsurs) e a Minitub do Brasil renovaram, por mais cinco anos, a parceria referente a aquisição de novos equipamentos para a Central de Produção de Sêmen (CPS) da Acsurs, situada no Centro de Suinocultura Dr. Hélio Miguel de Rose, em Linha Porongos.

A renovação do contrato ocorreu na quinta-feira, dia 17, na sede da entidade, com a presença do diretor da Minitube, Alexandre Marchetti.

De acordo com o diretor executivo da Acsurs, Fernando Gimenez, a parceria permitirá a utilização de sistemas automatizados para coleta, avaliação, diluição e envase das doses. Destaca-se a utilização do SpermVision, sistema computadorizado de análise espermática que resultará em uma maior precisão na avaliação de sêmen e no controle de qualidade das doses produzidas pela CPS.

O diretor executivo da entidade destaca que a manutenção da parceria vem para que se continue o trabalho que a CPS está realizando, que é oferecer doses de sêmen dentro dos padrões de qualidade exigidos para que o suinocultor utilize-as com sucesso nas inseminações em sua granja.

Mais de 1,6 milhão de doses

A Acsurs iniciou o trabalho de inseminação artificial em 1975, quando o engenheiro agrônomo Hélio Miguel de Rose, então presidente da Associação Brasileira dos Criadores de Suínos (ABCS), retornou de uma viagem da Europa.

Inicialmente, um laboratório provisório foi instalado junto aos pavilhões de exposição do Parque 20 de Maio – onde estão situadas as sedes da ABCS e Acsurs. Melhoradas as condições das baias para receber os primeiros reprodutores, eram feitas as coletas, diluição e inseminação.

A inauguração da nova central ocorreu quatro anos mais tarde, em Linha Porongos. Contou com uma Estação de Teste de Reprodutores Suínos (atualmente desativada) e uma Central de Inseminação Artificial de Suínos e, para sua construção, engajaram-se o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Secretaria da Agricultura, Pecuária e Abastecimento do Rio Grande do Sul, Prefeitura de Estrela (responsável pela doação da área de terras) e ABCS, criadora e motivadora do projeto pioneiro no Brasil.

O crescimento do Centro de Suinocultura deu-se através de convênios firmados com as cooperativas, prefeituras e sindicatos de trabalhadores rurais de várias regiões, que passaram a receber o sêmen através de transporte rodoviário. Deve-se salientar que a CPS/Acsurs treinou muitos técnicos para trabalhar em outras centrais de inseminação, dentro do Estado e mesmo fora dele.

Em 2011, no prédio da CPS foram feitas reformas que possibilitaram a ampliação da capacidade de alojamento de machos e, em consequência disso, o aumento na produção de sêmen suíno resfriado. A capacidade de alojamento, que antes era de 80 machos, passou para 260. “Todos os investimentos realizados na parte de ambiência e climatização dos pavilhões foram feitos com foco no bem-estar animal”, reforça o diretor executivo da entidade.

Em novembro de 2012, foi implantado o software de gerenciamento de Central de Produção de Sêmen da Agriness, que permite o controle informatizado de todas as atividades da CPS, como controle de machos, consumo de ração e medicamentos/vacinas, coletas e avaliações, diluições e distribuição de doses, monitorias, exames dos machos e controle de estoque de sêmen.

De 1976 até 2012, o Centro de Suinocultura Dr. Hélio Miguel de Rose – CPS/ACSURS comercializou mais de um milhão e seiscentas mil doses de sêmen. A maioria dos Estados brasileiros já recebeu remessa de sêmen oriunda da CPS/Acsurs ao longo de sua história.

você pode gostar também Mais do autor

Comentários

Carregando...